Posts Tagged ‘Paulo Roberto Costa’

Vídeo: Onyx Lorenzoni liga Lula à ‘quadrilha’ da Petrobras e pede convocação do petista à CPI

26 de agosto de 2015

“O senhor estava prestando serviço para o seu chefe”, disse o deputado do DEM a Paulo Roberto Costa

Por: Felipe Moura Brasil 25/08/2015 às 18:06

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) apontou as ligações de Lula com os membros da “quadrilha da Petrobras” durante a acareação entre os delatores Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff na CPI do Petrolão na tarde desta terça-feira.

“Na minha opinião, o senhor está protegendo alguém desde o início”, disse o democrata a Costa, referindo-se a Lula.

Lorenzoni citou o depoimento dado à CPI pelo ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) – condenado no mensalão e preso pela Operação Lava Jato – segundo o qual Lula foi quem indicou Costa para a Diretoria de Abastecimento.

Em seguida, mencionou a intimidade de Lula com o ex-diretor a quem tratava como “Comendador” ou “Paulinho”, além da interlocução que Costa tinha com a então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, a ponto de lhe mandar, em 29 de setembro de 2009, o e-mail revelado por VEJA em novembro de 2014.

Na ocasião, Costa passou por cima de toda a hierarquia da Petrobras para advertir o Palácio do Planalto que, por ter encontrado irregularidades pelo terceiro ano consecutivo, o Tribunal de Contas da União (TCU) havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três grandes obras da estatal, entre elas a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Assim, como quem não quer nada, mas querendo, Costa lembrou a Dilma, naquele e-mail, que em 2007 houve solução política para contornar as decisões do TCU e da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Lorenzoni questionou o objetivo da mensagem:

“Para quê? Para não interromper o fluxo da roubalheira! O senhor estava prestando serviço para o seu chefe.”

O deputado do DEM pediu então a convocação de Lula à CPI para “dizer ao Brasil se é verdade que ele escolheu Paulo Roberto para deixar mais fornida a quadrilha, se é verdade que ele foi traficante de influência para a família Odebrecht e se é verdade que o diretor-presidente Ricardo Pessoa, da UTC, não tinha hora para entrar no Palácio, entrava a hora que queria, porque era o homem da copa e da cozinha”:

“Luiz Inácio Lula da Silva tem muita explicação para dar ao Brasil e é missão dessa CPI botá-lo nesta cadeira.”

A intervenção de Lorenzoni sobre Lula começa especialmente a partir dos 6 minutos do primeiro vídeo abaixo e vai até o final do segundo.

Assista. Transcrevo outras partes em seguida.

“O senhor é o homem chamado de Paulinho. Eu não conheço nenhum outro dirigente da Petrobras com quem um presidente da República tinha esse grau de intimidade. O senhor é o homem a quem Lula deu o título de Comendador, decerto pelos ótimos serviços prestados à quadrilha petista que estava lá na Petrobras.”

“Porque o senhor atendeu o PT, o senhor pagou a conta da barriga de aluguel, mas o senhor ajudou muito o PT a fazer caixa. E quando o senhor teve que escolher em ajudar alguém do partido que lhe deu a maior honra, o maior cargo que o senhor ocupou na vida, [para] quem é que o senhor tirou dinheiro do bolso para pagar? Foi para deputado do PT, foi para candidatura do PP? Não, o senhor tirou do seu bolso, da sua conta para doar para a campanha do PT de 2010 no Rio [de Janeiro].”

“O senhor é o homem que tinha a capacidade de mandar um e-mail para a ex-ministra Dilma Rousseff sugerindo que a mesma atitude política adotada em 2007 e 2008 – o senhor confessou isso!… Para evitar que o TCU interrompesse Abreu e Lima, a Renest. Para quê? Para não interromper o fluxo da roubalheira! O senhor estava prestando serviço para o seu chefe.”

“E aí o ex-líder do Partido Progressista, ex-ministro de Dilma Rousseff, no dia 29/03/2014: ‘Quem era o principal interlocutor de Paulo Roberto?’ Não é um qualquer, não é um deputado de oposição falando, era o ex-ministro Mario Negromonte, aqui textualmente: ‘Quem tinha contato direto com ele era Lula’! Isso a gente sabe.”

“Eu encontrei em 6 de maio de 2004, próximo da sua assunção ao cargo de diretor, o Pedro Corrêa, que é um boquirroto, (…) dizendo – antes da sua nomeação – que o novo diretor será Paulo Roberto Costa. Por quê? Porque ele ouviu da boca do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva.”

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Anúncios

Estupidez

28 de janeiro de 2015

Estupidez                                                                                                                                                                                       Correio de Cachoeirinha – 28.01.2015

Muita gente critica as chamadas redes sociais.  Mas bem usadas elas são uma excelente ferramenta de informação.

 

Dias atrás vi uma publicação no Facebook que dizia assim:

 

“Estupidez: conhecer a verdade, ouvir a verdade, ver a verdade e ainda acreditar na mentira”.

 

Não é perfeito? Pois basta ler as manchetes dos veículos de comunicação dos últimos sete dias para constatar o quanto há de verdade na afirmação.  

 

“Após ganhar favor milionário do governo, empresário doa R$ 17 milhões para campanha de Dilma – Walter Faria, dono da cervejaria Itaipava, conseguiu renegociar em 24 horas empréstimo camarada com o Banco do Nordeste. Cinco dias depois, depositou R$ 5 milhões na conta do comitê da petista” (Época)

Outra (essa é fantástica):

 

“Ex-ministro Gilberto Carvalho saiu em defesa do ex-ministro José Dirceu; ele afirma que as (novas) acusações contra Dirceu na Lava Jato seriam uma tentativa da oposição de criminalizar o partido e impedir a volta de Lula em 2018: “Eles querem nos levar para as barras dos tribunais. Não vamos subestimar a capacidade deles para nos criminalizar, nos identificar com o roubo, para nos chamar de ladrão, para tentar nos isolar e inviabilizar em 2018 a candidatura do Lula (…)”- 27 DE JANEIRO DE 2015 ÀS 05:13

Ou:

 

 “A Fundação Perseu Abramo do PT, divulgou um boletim  no qual coloca em dúvida os efeitos do “ajuste recessivo” de Dilma A Fundação Perseu Abramo recebe pelo menos 20% dos recursos do Fundo Partidário destinados ao PT.” (O Globo)

 

Chega? Que tal essa? “Presidenta é acusada indiretamente por três executivos presos no esquema de corrupção – Será que a paciência dos brasileiros não tem limite?” – por Juan Arias (El Pais)

 Pois é. Será que não tem? 

 

“Documentos conseguidos pelo Jornal Nacional mostram que a Justiça decretou a quebra dos sigilos fiscal e bancário de José Dirceu  A empresa dele, JD Consultoria, recebeu quase R$ 4 milhões de empresas envolvidas no esquema.” (Globo)

 

Mais:

 

“Apontado pelos investigadores da Operação Lava Jato como coordenador do “clube” de empreiteiras que fraudavam licitações na Petrobras, o empresário Ricardo Pessoa, da UTC-Constran, negocia um acordo de delação premiada com os procuradores que atuam no caso.”  (Folha de S.Paulo)

 

É mole? Então vejam essa:

 

“Amigo íntimo do ex presidente Lula é investigado no petrolão.  Ele tinha acesso livre ao Palácio do Planalto na gestão Lula e até hoje resolve problemas de sua família”.(Revista Veja)

 

Estamos mesmo lá fora. Vejam:

“Reportagem da TV Portuguesa expõeLula envolvido em esquema internacional de corrupção e propinas – Reportagem da ‘TVI 24’diz que Lula estaria sendo investigado por autoridades portuguesas em razão de um suposto suborno de 2 milhões de euros que teriam sido pagos por Miguel Horta e Costa, então presidente da Portugal Telecom para financiar o PT” – (Folha Política)   

 

 Muita gente desgostosa poderia até dizer que isso é invenção contra o atual governo. Mas está em todos os lugares, no mundo inteiro. Inclusive, acho uma graça as reportagens de TV – especialmente do Jornal Nacional –  mostrando o consumo de energia de cada eletrodoméstico, em meio a(s)  crise(s) que atravessamos.  Nem ao menos relembram que Lula incentivou o povo a gastar o que não tinha, via endividamento, no desespero para conter o tsunami econômico de 2008, que insistia em chamar de “marolinha”. Foi uma irresponsabilidade econômica  e a conta chegou. O que ele faz? Tenta fazer descolar de Dilma, claro.

 

Mas é pior ainda. O pouco que já se sabe dos elementos e provas fornecidas por Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef , põe por terra qualquer tentativa de amenizar o momento inédito que atravessamos.

Se vai dar cadeia, isso dependerá do judiciário. Existe pressão por transformar em multas o que deveriam ser penas exemplares. O advogado de Alberto Youssef, garante queessa situação foi coordenada e tramada a partir da própria Petrobras. Há claros e fortes indícios de participação dos políticos, que não vou nomear, pois isso deve ficar a cargo da investigação. Meu cliente não é líder de nada. Eles (os políticos) é que vão atrás e criam o sistema para o esquema de manutenção no poder. O esquema na maior estatal do país só pode funcionar com a anuência dos políticos. Isso era fato notório dentro da empresa”.

 

Youssef demonstrou ao juiz Sérgio Moro que o esquema de corrupção na Petrobras vinha de cima. Explicou como o sistema remunera políticos com a grana desviada do setor público. Nenhuma novidade. É a mesma mecânica do Mensalão, só que muito maior. A diferença foi colocar o dinheiro de corrupção como doação legal a partidos e campanhas. O sistema funcionou para financiar grupos e partidos políticos e quando migrou para a doação legal a campanhas e partidos atingiu o núcleo da democracia, pois, quando alguns partidos passam a deter o domínio de uma grande verba, há um desequilíbrio no sistema eleitoral. Lembram das palavras de Joaquim Barbosa na sentença do Mensalão?

 

Estamos em meio a um golpe econômico/financeiro nas instituições.  Não enxergá-lo é estupidez.   

http://www.eniomeneghetti.com

 

Pois que quebrem!

14 de janeiro de 2015

WP_20150114_003

“A revista Veja desta semana traz uma matéria com informações do engenheiro baiano Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia. Sempre apontado como amigo do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Ricardo Pessoa está preso e é considerado coordenador do cartel de empreiteiras envolvidas na Lava Jato.

A reportagem afirma que um manuscrito produzido por Pessoa faz ligação entre os contratos sob suspeita assinados entre as empreiteiras e a Petrobras e o caixa de campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff.

O texto, aparentemente vazado por Ricardo Pessoa – e por isso mesmo encarado como alguma espécie de “recado” – diz que todas as empreiteiras acusadas no esquema da Operação Lava-Jato doaram para a campanha de Dilma Roussef.

Ricardo Pessoa ainda diz que o volume de dinheiro desviado através de  Paulo Roberto Costa é quase nada frente a outros negócios da Petrobras que também teriam servido à coleta de propina. Ele ressalta ainda estranhar que tenham sido processadas até agora  apenas seis das 16 empreiteiras que fizeram negócios bilionários com a Petrobras.

Enquanto isso, também soube-se nesta semana que a CGU – Controladoria-Geral da União – tentou promover um acordo para evitar que as empreiteiras envolvidas na Lava Jato ficassem impedidas de fechar novos contratos com o governo. A proposta, revelada pelo jornal  O Globo, felizmente foi rejeitada pela força-tarefa do MPF. O acordo foi encarado pelos investigadores como uma tentativa do governo de salvar as empreiteiras. A proposta sugeria a fixação de multas às empreiteiras no âmbito administrativo. Assim, as empresas devolveriam dinheiro aos cofres públicos e se livrariam da declaração de inidoneidade, que as impediria de fechar novos contratos.

A cândida motivação para tal proposta seria que “a declaração de inidoneidade provoca uma grande possibilidade de fechar a empresa”… Senão, “poderiam entrar em crise financeira e não teriam dinheiro nem mesmo para ressarcir parcialmente os prejuízos”.  Foram além na descrição do apocalipse: “a insolvência poderia até contaminar o sistema financeiro, especialmente bancos que abrigam negócios das empresas”.

O raciocínio destes parece ser de que o tamanho do crime é que define a punição! Isto é, se o crime é imenso, não se pode punir conforme a lei, sob pena de o sistema entrar em colapso…

Que eu não seja mal interpretado, mas se é assim, que quebrem.

Espera-se que o MPF e as autoridades encarregadas deste caso mantenham-se firmes. Que sirva de lição para outros tantos “empresários” que só sabem fazer negócios debaixo da saia dos governos. E os bancos que os financiaram, devem arcar com os riscos das operações que contrataram.

Que cumpram-se os contratos. E a lei.”

Enio Meneghetti

Impeachment não é golpe

5 de novembro de 2014

Impeachment não é golpe

Dezembro de 1992. O presidente da República, Fernando Collor de Mello, sofreu impeachment e foi removido da presidência pelo Congresso. Ficou inelegível por oito anos.

 

Motivo: indícios de corrupção.

 

O processo teve início a partir de uma entrevista de seu irmão Pedro Collor de Mello a revista Veja, onde Pedro acusava o próprio irmão e Paulo Cesar Farias de agirem em conluio para obter recursos financeiros de empresas privadas. O auge do escândalo foi a revelação através do motorista, que uma camioneta Fiat Elba registrada em nome de Color, havia sido comprada com um cheque de PC Farias.

 

Cabe lembrar que ninguém reclamou da revista.

 

Para que se desencadeie um processo de impeachment, é necessária apenas a suspeita da prática de um crime ou de uma conduta inadequada para o cargo.

 

No último sábado, seis dias após as eleições, aconteceram em várias capitais brasileiras atos públicos, passeatas e manifestações pedindo o impeachment de Dilma.

 

Tais atos foram ridicularizados por setores da imprensa. Taxados por alguns de “golpismo” ou “bobagem”. Os manifestantes, taxados de “fascistas”, pelos adeptos da presidente reeleita.

 

Com amplo domínio político, partidário e financeiro no Congresso, é difícil êxito em um processo de impeachment contra a atual presidente. Mas, de acordo com a Legislação vigente, seria admissível um processo de impeachment. Existe um precedente e motivo. Talvez até três, pelo menos.

 

Para quem tem memória curta, cabe lembrar que o atual escândalo da Petrobrás teve seu pontapé inicial quando a própria Presidência da República, antecipando-se ao furacão que viria a seguir, soltou uma nota oficial, confirmando que Dilma, quando presidia o conselhão da empresa, aprovou a compra superfaturada da refinaria de Pasadena , com a questionável ressalva de ter sido mal assessorada sobre o assunto. Lula, mais acostumado ao safar-se no olho dos furacões,  chegou a classificar a nota como “um tiro no pé”.

 

Posteriormente vieram as delações premiadas do ex diretor Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef e muitos detalhes escabrosos das maracutaias acontecidas na maior estatal brasileira. Muito mais malcheirosas até, do que a refinaria de Pasadena.

 

Alberto Youssef, em seu depoimento no processo de Delação Premiada afirmou que o “Planalto” teria conhecimento, nas pessoas de  “Lula e Dilma”, dos “malfeitos” na Petrobrás. A informação foi objeto de ampla divulgação na revista Veja. Ora, por analogia ao caso Collor, motivação mais do que justa e legal para abertura de um processo de impeachment.

 

Um segundo motivo, este muito mais forte, óbvio e palpável para abertura de um processo de impeachment é a inobservância clara, flagrante e inequívoca, por parte da presidente Dilma Rousseff,  do disposto no artigo 49, Ítem 1 da Constituição Brasileira.

 

 

O Art. 49 diz claramente: “É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

I – resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional;”

 

Pronto. Pergunte a qualquer jurista ou advogado e ele confirmará: presidente da República, de acordo com o Artigo 49 da CF,  NÃO PODE financiar, emprestar ou doar dinheiro dos brasileiros a países estrangeiros sem a anuência do Congresso Nacional. A desculpa esfarrapada de que o financiamento do Porto de Mariel em Cuba – fato: com dinheiro dos brasileiros – deu-se através de financiamento à construtora que realizou a obra, é tão estapafúrdia, quanto a outra absurda novidade no obscuro negócio: foi decretado “sigilo” dos contratos do empréstimo ilegal. Nada se sabe sobre o negócio. Taxas de juros, valores, carência, garantias, prazo, NADA!

 

Outro artigo da Constituição Federal que está sendo violado ainda:  é o de número 37, que define os princípios da Administração Pública, aos quais TODOS os agentes públicos estão subordinados, inclusive a Presidente e o banco estatal BNDES: são os princípios  “Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência”. Pois esse sigilo não é LEGAL e obviamente desrespeitou o princípio da PUBLICIDADE.  A tão decantada transparência que deve, por força de lei, nortear os negócios públicos.

 

As ilegalidades flagrantes cometidas no caso dos empréstimos a países estrangeiros são inclusive motivo mais do que suficiente também para uma  ADIN – Ação Direta de Inconstitucionalidade – no STF – Supremo Tribunal Federal – a instância máxima da Justiça brasileira, a quem cabe julgar o Presidente da República.

 

Uma ADIN é cabível frente a inobservância por parte do Presidente da República da Constituição vigente.

 

No caso específico dos empréstimos aos países estrangeiros, somente as seguintes pessoas ou entidades podem propor a ADIN:  Mesa do Senado Federal;  Mesa da Câmara dos Deputados; Procurador-Geral da República; Conselho Federal da OAB; Partido político com representação no Congresso Nacional; Confederação sindical ou entidade de classe no âmbito nacional.

 

Nós, cidadãos comuns, infelizmente, não podemos.

 

Desde fevereiro de 2014 tramita no STF um mandado de segurança movido pelo senador Álvaro Dias (PSDB-PR) para receber informações sobre os empréstimos feitos pelo BNDES aos governos cubano e angolano. Antes de recorrer ao STF, já haviam sido pedidos os esclarecimentos por vias administrativas, os quais foram negados sob a alegação de sigilo imposto pelos governos daqueles países. Desculpa absurda e inaceitável essa de submeter a Constituição Brasileira à imposição de outros países. Um disparate. A matéria no STF está para ser relatada pelo Ministro Luiz Fux.

Aguarda-se a manifestação, quem sabe, para breve.

 

A conclusão óbvia é que NÃO são infundados os motivos que poderiam SIM levar a atual presidente a sofrer um processo de impeachment. Se este seria vitorioso ou não, é outra questão. Motivação legal existe. Claramente.

 

Esse assunto vai longe.

http://www.eniomeneghetti.com

 

 

 

 

 

Revelação já

8 de outubro de 2014

Revelação já!
Correio de Cachoeirinha – 4.a. feira – 08.10.2014

“Os resultados das pesquisas eleitorais divulgadas previamente às eleições deste domingo erraram feio.

O Datafolha apontava Marina Silva e Aécio Neves empatados tecnicamente, com respectivamente 22 a 24%. O Ibope indicava Aécio com ligeira vantagem, de 27 a 24%. O que se viu foi Aécio com 34% muito mais próximo de Dilma do que as pesquisas jamais indicaram.

O quadro agora é outro. Tempo de TV idêntico e não mais os 11 minutos que Dilma dispunha no I turno, obra e graça da eclética composição de forças que juntou em sua coligação. Os debates serão mano a mano, sem figurantes.

A corrupção deverá, junto com o mau desempenho de nossa economia, predominar.

A pressão pela revelação dos depoimentos dos delatores da Operação Lava Jato deverá ser enorme. As revistas semanais já devem estar movendo os céus e a terra atrás dos detalhes. Veja desta semana destaca que uma pessoa que ouviu as revelações do doleiro garante que o conteúdo tem um potencial 100 vezes maior que o de Paulo Roberto, e muita gente importante envolvida até o pescoço nas tramóias da Petrobrás. A pressão popular também começa a apertar.

Já começaram a circular abaixo assinados pedindo às instâncias competentes que as informações reveladas pelos acordos de delação premiada do ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, e do doleiro Alberto Youssef sejam tornadas públicas imediatamente.

DilmaYoussef

Um desses abaixo assinados é promovido pelo cientista político e professor universitário Paulo Moura, que argumenta corretamente que:

“nos encaminhamos para o segundo turno de uma eleição na qual escolheremos o futuro Presidente da República e diversos Governadores de Estado, temos o direito de saber se, ao votarmos, o faremos na certeza de não estarmos sufragando pessoas envolvidas, direta ou indiretamente, em escândalos de corrupção.”

Já está no Citizen Go http://citizengo.org/pt-pt/12038-que-informacoes-reveladas-pelos-acordos-delacao-premiada-do-ex-diretor-da-petrobras-paulo

“Tal medida se faz urgente, visto que os indiciados acima citados chegaram a declarar à imprensa que, se ‘abrissem a boca’ não haveria eleição esse ano, sugerindo que a delação envolveria candidaturas importantes, como já revelaram notícias vazadas para a imprensa.”

Conforme diz o professor Paulo Moura,

“o direito à transparência nas informações de interesse público, na medida em que a negação do acesso dos cidadãos brasileiros a essas informações no primeiro turno do pleito em curso, pode ter levado a que milhões de eleitores em todo o país tenham sido levados a votar em candidatos ao Parlamento e ao Poder Executivo, em suas várias instâncias, que em seguida, poderão ser condenados por corrupção e terem seus mandatos cassados.”

Mais claro que isso, impossível.”

Enio Meneghetti

http://www.eniomeneghetti.com

Associação criminosa

1 de outubro de 2014

Assoc criminosa

texto publicado na edição de hoje do Diário de Cachoeirinha

“Há duas semanas neste mesmo espaço, no artigo “Delação de Youssef” prevíamos a capitulação do doleiro preso.

Naquela ocasião lembrávamos que a grande dificuldade para que Alberto Youssef tentasse o instituto da delação premiada encontrava-se na resistência de seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Porque o número estimado de clientes de Kakay engolidos pelo escândalo é estimado em mais de vinte. Foi exatamente o que aconteceu. Youssef trocou de advogado e partiu para a negociação do benefício em troca da suavização da pena.

Era lógico que assim ocorresse por dois motivos: o primeiro é que com a delação de seu companheiro de trapaças Paulo Roberto Costa – o “Paulinho” – como o tratava Lula, a situação de Yousef ficaria ainda pior. O segundo motivo, é que, na terra em que Celso Daniel foi morto, sua vida – a de Youssef – passaria a valer bem pouco, como arquivo vivo que é. Falando, cessa qualquer motivação para que essa remota possibilidade pudesse ocorrer.

Avançando no raciocínio, podemos refletir mais um pouco: ora, “Paulinho” já negociou sua delação premiada. Fez revelações cuja pequena parte vazada na imprensa já mostrou o poder arrasa quarteirão do escândalo da Petrobrás. Com tais revelações, Costa já obteve inclusive o benefício de cumprir a pena em casa, com a prisão domiciliar. Indício do tamanho e gravidade das revelações.

Pois bem, para Youssef receber o benefício também, obviamente irá muito além do que Costa já revelou. É um caso colossal de corrupção nas entranhas da maior estatal brasileira.

E assim chegamos ao I turno das eleições. Sabe-se que as revelações dos dois criminosos que faziam parte de uma grande associação criminosa fraudou enormemente a Petrobrás. A ex ministra de Minas e Energia, ex presidente do Conselho da estatal, expert na área, ex Chefe da Casa Civil e atual postulante a um segundo mandato presidencial, sem dúvida, por ação ou omissão, certamente deverá estar mencionada nessas revelações. No mínimo como uma pessoa bem desatenta… E o Brasil vai às urnas sem conhecer o teor das graves revelações. É surreal.

Em qualquer país medianamente sério ou politizado, uma situação como a descrita, imediatamente inviabilizaria qualquer possibilidade de êxito da atual mandatária na corrida eleitoral.

E o que chega a ser cogitado por alguns é a possibilidade de êxito – remota – dela já no primeiro turno!

A previsão dos procuradores encarregados do caso é que o doleiro Youssef tem revelações de muito maior impacto do que as denúncias de Paulo Roberto Costa – que Lula chamava, carinhosamente, de “Paulinho”. No entanto, a cúpula de marqueteiros da campanha petista acha que as revelações da operação Lava Jato não afetarão o desempenho de Dilma no curto prazo, seja no primeiro ou no segundo turno eleitoral.

Se isso ocorrer mesmo, teremos provavelmente durante os próximos quatro anos alguém no poder repetindo o mantra “eu não sabia”, enquanto o país tem ainda a possibilidade entrar o ano seguinte em uma grave recessão.

Merecemos isso?”

Enio Meneghetti

http://www.eniomeneghetti.com

© 2014 Microsoft Termos Privacidade e cookies Desenvolvedores Português (Brasil)

Ainda a Petrobrás

24 de setembro de 2014

Ainda a Petrobrás

Não foi nenhuma surpresa a revelação no Jornal Nacional da Globo, que “Paulinho” teria confessado que recebeu R$ 1,5 milhão em propina pela compra da refinaria Pasadena, no Texas, EUA.

Depois, o delator ainda teria revelado que a compra da refinaria Pasadena pela Petrobras foi usada para fazer caixa dois para as campanhas do PT e seus aliados, além de garantir propinas para os idealizadores e participantes do negócio. Barbaridade!

Sendo tal revelação verdadeira, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff teriam de ser denunciados pelo Procurador Geral da República. Nenhuma decisão do vulto da compra de Pasadena é tomada na Petrobras sem que o Presidente da República tome conhecimento.

Por isso, Lula e Dilma Rousseff sabiam de tudo e devem ser responsabilizados por atos tomados pela direção e pelo conselho da estatal.

Acionistas da estatal podem usar este argumento para processá-los em Nova York, em cuja bolsa de valores a Petrobras negocia suas ações e onde os políticos brasileiros não tem influência para garantir sua impunidade.

A situação de Dilma é pior. Ela presidiu o conselho da estatal na gestão Lula. É considerada especialista na área de energia. Tem o perfil do administrador centralizador, de quem nada escapa e exige o controle de tudo. E já ficou provado que ai daquele que desobedeça suas ordens. Será descascado no ato, na frente de tudo e de todos. É seu estilo, conhecido desde que atuava nos governos gaudérios. É impossível, não cola, a versão preguiçosa de que não soubesse de tudo o que se passava na estatal.

A indicação da amiga Maria das Graças Foster para presidir a Petrobrás em substituição ao homem de Lula, José Sérgio Gabrielli, – da mesma forma como o era o ladrão confesso Paulo Roberto “Paulinho” Costa – era justamente para ter conhecimento total do que se passava na empresa. E Dilma ainda segue fazendo um discurso cínico de que tem “tolerância zero com a corrupção”.

Igualmente não cola a versão de que Paulo Roberto Costa teria sido o único a receber propina. Portanto, a consequência disto é que a lista de pessoas a serem processadas está diretamente ligada aos resultados eleitorais. Se os governistas vencerem, provavelmente tudo ficará como está, com a chance de tal denúncia se tornar realidade próxima de zero. Ainda mais em meio a um processo eleitoral constrangedor que os financia a peso de ouro e sustenta o projeto de perpetuação no poder.

Quantos mensalões mais existirão debaixo do tapete e que não foram revelados ate agora? O que há por trás dos contratos secretos – e inconstitucionais – de financiamento a fundo perdido do porto de Mariel em Cuba, o perdão das dívidas dos países africanos para que o governo pudesse financiar mais obras lá a serem executadas pelas grandes empreiteiras brasileiras, todas grandes contribuintes das campanhas petistas? Nem Dom Corleone conseguiria tanto!

O que estão querendo fazer com esse país é o mesmo que fizeram com a Petrobrás. Não vê quem não quer. Nunca antes na história deste país tantas irregularidades foram praticadas a céu aberto como atualmente. O Alerta Total lembra que a revista Veja fez a revelação que desde 2010 o Ministério Público investiga uma ONG criada por petistas na Bahia. A presidente do Instituto Brasil, Dalva Sele Paiva, revelou que a entidade foi criada para ajudar a financiar o caixa eleitoral do PT, desviando R$ 50 milhões de reais dos “projetos sociais” das administrações petistas, desde 2004.

Segundo Dalva Paiva, o Instituto Brasil recebia os recursos, simulava a prestação do serviço e repassava o dinheiro para os candidatos do PT. Se o acordo pagava pela construção de 1000 casas, por exemplo, o instituto erguia apenas 100. O dinheiro que sobrava era rateado entre os políticos do partido.Pelo menos R$ 17,9 milhões de reais, teriam saído do Fundo de Combate à Pobreza. De novo: quantos mensalões como este existem Brasil afora?

Corrompida pela ignorância, a massa não dá bola para denúncias. Quem recebe alguma vantagem do esquema de poder, vota fielmente no governo.

Infelizmente, o poder das pessoas decentes é infinitamente inferior ao poderio dos gestores do governo. O Ministério Público, as polícias, os órgãos de controladoria formulam denúncias. O Judiciário aceita algumas. alguns bagres foram condenados. Mas os chefões seguem impunes. Até quando?

Enio Meneghetti

http://www.eniomeneghetti.com

Delação de Youssef

17 de setembro de 2014

Delação de Youssef

O fato da semana anterior, inclusive com reflexos na corrida presidencial, foram as revelações de Paulo Roberto Costa em sua negociada delação premiada.

Agora, para supremo pavor de alguns, aventa-se a possibilidade do doleiro Alberto Youssef também aderir ao benefício.

A grande dificuldade para isso ocorrer de fato, encontra-se na resistência do advogado de Youssef, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay. Se Youssef decidir pela delação, o número de clientes de Kakay engolidos pelo escândalo é avaliado em mais de vinte.

Por essa razão, quando Youssef, consultou Kakay sobre a hipótese de negociar para contar tudo, o advogado disse-lhe considerar desaconselhável a delação premiada. E advertiu-o que, em caso de delação premiada, ele teria de abandonar sua defesa. A razão é muito simples: muitos dos alvos atingidos pelo delator Paulo Roberto costa são clientes de Kakay, segundo revelou o jornalista Josias de Souza.

Kakay é um festejado advogado de Brasília, que tem nove entre dez estrelas com problemas na área penal, um grande número de políticos e empresários, na condição de clientes. Com uma capitulação de Youssef, a situação de muitos de seus clientes poderia complicar-se. Então, se depender do seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, Youssef nunca topará uma delação premiada. E compreende-se: dificilmente um criminalista com o perfil de atuação deste prestigiado advogado seria adepto do instituto da delação. Seria uma tática conflitante com a defesa de outros clientes seus.

Porém, no caso presente, há um precedente: Yousseff na década passada já fez uma delação premiada. Então, embora Kakay seja contra, cabe lembrar que o advogado Nélio Machado, que era o defensor do ex diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa, também era contrário, provavelmente por razões similares.

Incentivado pela esposa, que já vinha se desentendendo com o advogado justamente por causa disso, Costa resolveu abrir a boca. Decidiu falar e Machado deixou o cliente. Ou seja, o advogado ser contra não necessariamente impede a delação.

Para isso, Paulo Roberto contratou uma advogada especialista em delação premiada, Beatriz Catta Pretta. Sim, já há especialização em delação premiada, vejam só. Foi assim que as coisas foram em frente.

Ora, como as revelações de Costa pioram também a irremediável situação de Youssef, seu caminho mais lógico seria optar por abrir logo o bico e contar tudo o que sabe. É de se imaginar a pressão que deve estar sofrendo de parte daqueles que tem o rabo preso. Até mesmo para sua própria proteção, seria bastante lógico esperar pela negociação da delação. Certamente ele tem muitos detalhes a acrescentar às já bombásticas revelações feitas por PRC, cuja publicação parcial pela revista Veja já provocou um terremoto. Desta forma, Youssef, só tem a perder ao ficar em silêncio.

Paulo Roberto já havia mencionado que – “Se eu falar, não vai ter eleição”. Talvez força de expressão, pelo sigilo do teor de seus depoimentos, viu-se que foi revelada apenas uma pequena parte do que o criminoso sabe. Mesmo assim, provocou tremores em muitas cabeças coroadas. Imagine-se então o que Youssef teria a acrescentar. Não custa lembrar que recentemente sua ex-contadora, Meire Poza, já falou à VEJA sobre os esquemas envolvendo o doleiro e seus amigos da classe política e o frisson foi grande.

Compreende-se então o pânico criado entre alguns políticos, algumas empreiteiras e prestadoras de serviços da Petrobras. O medo de que Alberto Youssef, assim como Paulo Roberto Costa, opte pela delação premiada.

E ao lembrarmos da fala recente de Lula:

“Eles não sabem do que nós seremos capazes de fazer para que você seja a nossa presidenta por mais 4 anos neste país”

Tem-se então uma pequena ideia do tamanho da bomba sobre a qual o país está assentado.

Enio Meneghetti
http://www.eniomeneghetti.com
© 2014 Microsoft Termos Privacidade e cookies Desenvolvedores Português (Brasil)

O passarinho

10 de setembro de 2014

“Só mesmo como piada cabe a versão de ela poderia não saber do que ocorria por debaixo do tapete.”

O Passarinho

Finalmente, depois de avanços e recuos, o ex diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, abriu o bico e contou com palavras o que quase todo o mundo já sabia mas não podia falar ainda, com todas as letras.

Para tentar escapar da mesma situação de Marcos Valério, que pegou 40 anos de cadeia enquanto seus companheiros de gatunagem e mandantes já estão contando os dias para verem-se livres das grades, o ex-diretor da Petrobrás resolveu tentar salvar – ao menos em parte – a si e familiares, os quais parece ter utilizado para ocultar sua parte no butim roubado.

Paulo Roberto Costa apresentou nomes e explicou como ele e seus cúmplices nos crimes de lavagem de mais de R$ 10 bilhões sob investigação da Operação Lava Jato operavam, além de detalhes sobre a malfadada compra superfaturada da refinaria bichada de Pasadena, nos Estados Unidos.

Pode ser que agora o doleiro Alberto Youssef crie coragem e resolva tentar salvar a própria pele também. E como sonhar é de graça, não custa torcer para a excelente possibilidade de que Henrique Pizzolato, o foragido do Mensalão atualmente preso na Itália que tenta desesperadamente evitar ser mandado para cá onde amargará em um dos presídios brasileiros, possa também fazer um acordo para evitar a extradição (ele é cidadão italiano) e contar tudo o que sabe. Tomara. Se isso acontecer seria uma glória nos tribunais…

Políticos do PT e da base aliada do governo, principalmente PP e PMDB junto com governadores, senadores, deputados. E, é claro, sobrou para Dilma. Afinal, ex ministra de Minas e Energia, ex presidente do Conselho da Petrobrás, ex-Chefa da Casa Civil, centralizadora como é, só mesmo como piada cabe a versão de ela poderia não saber do que ocorria por debaixo do tapete.

Também acabou respingando em Marina Silva. A menção do falecido ex-governador Eduardo Campos não pegou bem para ela. Não poderia deixar de estar no embrulho o sucessor de Delúbio Soares, o atual tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto. Sim, Paulo Roberto Costa afirmou que o atual tesoureiro Vaccari Neto, era o encarregado de fazer a ponte entre os esquemas e o partido.

Se a investigação for levada em frente, mexe com gente muito poderosa. O risco de que tentem abafa-la é real e concreto, pois a coisa é muitíssimo grave.

A reportagem que Veja traz esta semana é apenas a pontinha do iceberg de uma roubalheira que pode fazer o esquema do Mensalão ficar no chinelo. Na lista inicial de nomes apontados, com envolvimento na Lava Jato: “Entre eles estão os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), além do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB-MA). Senador Ciro Nogueira (PI), presidente nacional do PP, Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo. Mais os deputados Cândido Vaccarezza (PT-SP) e João Pizzolatti (SC), um dos mais ativos integrantes da bancada do PP na casa. O ex-ministro das Cidades e ex-deputado Mario Negromonte, também do PP, é outro citado por Paulo Roberto como destinatário da propina”.

A lista de três “governadores” citados pelo ex-diretor da Petrobrás são: Sérgio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio, Roseana Sarney (PMDB), governadora do Maranhão. Com as mega suspeitas em relação a refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, sobrou para o ex-companheiro de chapa de Marina Silva, o falecido presidenciável Eduardo Campos (PSB).

Este furdunço ainda deve feder bastante.

http://www.eniomeneghetti.com

Delação premiada e um avião sem dono

27 de agosto de 2014

Delação premiada e um avião sem dono

Paulo Roberto Costa trocou seu advogado pela defensora Beatriz Catta Preta – especializada em casos de delação premiada. Aguarda-se a qualquer momento, a confirmação da assinatura do acordo.

Entre 2005 e 2012, Paulo Roberto Costa substituiu José Sérgio Gabrielli, na presidência da Petrobras por 24 vezes. Costa é acusado de controlar um mega esquema de fraudes na estatal, com participação no superfaturamento das obras da refinaria Abreu e Lima, que já torrou R$ 42,2 bilhões sem sair ao papel, de cujos contratos o MPF afirma que teria saído o suborno lavado pelos esquemas do doleiro Alberto Youssef.

Porém, Paulo Roberto Costa pode estar acenando com a delação premiada para acuar os petistas. Porque dificilmente ele poderia ter feito o que é acusado sozinho. Nada na Petrobras se resolve sem a interferência superior. Dilma foi Ministra de Minas e Energia, presidindo o Conselho da Petrobras. É risível a hipótese de estar alheia ao que acontecia na estatal.

O doleiro Youssef também pode embarcar na onda de delação premiada. No caso Banestado, ele contou tudo que sabia. Agora, a história pode se repetir.

Alguém tem que perguntar para a Marina Silva

– E agora como é que fica?

A AF Andrade, ex arrendatária por leasing, do Jatinho Citation, está em recuperação judicial. Não poderia ter repassado o arrendamento mercantil. O seguro do avião, cujas importâncias seguradas contratadas são insuficientes para cobertura dos danos causados a terceiros, estava em nome do antigo dono. Foi apresentado um documento particular informando que a responsabilidade pelo leasing do Citation, teria sido repassado para João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho. Só isso já constitui motivo suficiente para qualquer seguradora – salvo melhor juízo – negar a cobertura dos danos causados pelo uso da aeronave para fim diverso do contratado, pois o seguro foi feito em nome da AF Andrade.

Como este embroglio estava CONTABILIZADO? Sim, porque segundo a severa lei eleitoral vigente, BENS ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO – emprestar um carro, uma casa para o comitê, UM AVIÃO -, tudo isto tem de estar lançado nas contas de campanha e ser informado ao TSE.

A burocracia para concorrer a cargo eletivo, desde o mensalão, é para ninguém botar defeito.

A responsabilidade é da candidata, então companheira de chapa, que, segundo consta, também fazia uso da aeronave e apenas por detalhe não estava à bordo no fatídico dia.

Então, como fica? QUEM VAI PAGAR AS CASAS DESTRUÍDAS? Só um dono de academia estima seus prejuízos em mais de um milhão e meio de reais. Fora os lucros cessantes, o aluguel que continua correndo, os contratos firmados com seus clientes usuários…

Já pensaram, você sai para trabalhar e na volta fica sabendo que um avião “SEM DONO” caiu em cima de sua casa ou seu negócio.

Como fica o caso daquela senhora de 100 anos em cadeira de rodas que apareceu na TV? E seus cuidadores? E a vida dos familiares?

Tantos candidatos fizerem programetes comoventes na TV, com imagens candentes em preto e branco, toda essa exploração piegas no horário eleitoral em cima do cadáver, não é chegada a hora de mostrar o estado das famílias vítimas?

Quem contratou e/ou pagava os pilotos? Qual a situação de suas viúvas? Como estão as famílias dos demais mortos na tragédia?

Como está registrado, na contabilidade da PRIMEIRA PARCIAL de campanha, cujo prazo de apresentação a Justiça Eleitoral era 31 de julho? Como foi lançado lá o uso do jato?

Quem emprestou/cedeu o jato, o fez por que? Quem é esse magnânimo gastador que cede um jato praticamente novo, avaliado em cerca de OITO MILHÕES DE DÓLARES e agora sumiu? Quem é esse personagem misterioso? Foi à troco de nada?

O valor da hora de vôo de um jato Citation, para quem não é do ramo, é inacreditável. Imaginam quanto custou a infinidade de viagens que aquele jato fez – conforme mostrado na TV – no zigue zague que o avião “costurou” Brasil afora, no período anterior ao do acidente?

O Brasil tem de ser informado.

http://www.eniomeneghetii.com

Simples assim: “Segundo informações em O Globo, Marina tem um novo comitê de campanha, com um novo CNPJ, como determina a lei eleitoral em caso de morte de um candidato. O avião usado por Campos era de responsabilidade do comitê de campanha do ex-governador de Pernambuco e que já foi extinto com a sua morte.
Ainda segundo O Globo, a versão do PSB para o assunto reforça uma tese de que o avião teria entrado em um caixa dois na campanha, ou seja, o gasto não foi declarado regularmente. O PSB reconhece que não haveria recibo registrado no TSE, como exige a lei.”

– See more at: http://www.sonhoseguro.com.br/2014/08/aeronave-seria-de-responsabilidade-do-comite-de-campanha-de-campos-marina-criou-outro-comite-ao-assumir-candidatura/#sthash.RLVcKrfg.dpuf

http://epoca.globo.com/tempo/eleicoes/noticia/2014/08/documentos-revelam-que-aviao-usado-por-bcampos-e-marinab-pertencia-busineiros-paulistasb.html

http://www.eniomeneghetti.com