Posts Tagged ‘CPI’

A BOLA DA VEZ

13 de janeiro de 2016

GetAttachment

 

Quem deverá entrar na berlinda agora é o Ministro Chefe da Casa Civil, Jaques Wagner. Quem o colocou na marca do pênalti foi Nestor Cerveró.

 

Segundo ele, José Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras, teria desviado dinheiro da estatal para a campanha de Jacques Wagner ao governo da Bahia, em 2006.

 

Coincidentemente, Gabrielli  transferiu para a Bahia o setor financeiro da Petrobras, construindo um prédio em Salvador para tanto.

 

– Gabrielli decidiu realocar a parte financeira para Salvador sem haver nenhuma justificativa  – afirmou Cerveró.

 

Depois de deixar a presidência da Petrobrás, José Sergio Gabrielli foi justamente ser Secretário de governo de Wagner na Bahia. Outra coincidência, é claro.  

 

Teria havido também um pedido a Wagner pelo ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro para a liberação de verbas pelo Ministério dos Transportes.

 

Também foram divulgadas mensagens de celular que apontam  atuação de Jacques Wagner junto a FUNCEF para favorecimento da OAS. 

Segundo o presidente da CPI dos Fundos de Pensão, deputado Efraim Filho, Jaques Wagner deverá ser convocado para prestar esclarecimentos. 

– Já estão configurados os indícios de tráfico de influência e direcionamento dos negócios para interesses políticos partidários”,afirmou.

As conversas obtidas por investigadores da Operação Lava Jato no celular do ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro Filho (Léo Pinheiro), indicam que Wagner teria facilitado negócios em benefício da empreiteira.

 

Pinheiro afirmou em mensagens que precisaria de “JW na aprovação final” de um negócio. Em seguida a diretoria da FUNCEF aprovou a compra de cotas de até R$ 500 milhões em um fundo da OAS.

 

A OAS, muito endividada, está em recuperação judicial.

 

A Casa Civil está provando ser uma maldição em tempos petistas.

Que o digam José Dirceu, Antônio Palocci, Erenice Guerra, Gleisi Hoffmann, Aloísio Mercadante e … Dilma.   

 

Aguardemos.

 

Enio Meneghetti

P.S.: Ainda bem que conclui esta artigo com “Aguardemos”. Não foi necessário aguardar quase nada.

Entre a escrita e a publicação já veio mais chumbo quente. Nestor Cerveró trouxe ainda mais novidades. Dilma, Lula, W Torre, etc. A coisa está cada vez mais feia.  

Anúncios

Vídeo: Onyx Lorenzoni liga Lula à ‘quadrilha’ da Petrobras e pede convocação do petista à CPI

26 de agosto de 2015

“O senhor estava prestando serviço para o seu chefe”, disse o deputado do DEM a Paulo Roberto Costa

Por: Felipe Moura Brasil 25/08/2015 às 18:06

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) apontou as ligações de Lula com os membros da “quadrilha da Petrobras” durante a acareação entre os delatores Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff na CPI do Petrolão na tarde desta terça-feira.

“Na minha opinião, o senhor está protegendo alguém desde o início”, disse o democrata a Costa, referindo-se a Lula.

Lorenzoni citou o depoimento dado à CPI pelo ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) – condenado no mensalão e preso pela Operação Lava Jato – segundo o qual Lula foi quem indicou Costa para a Diretoria de Abastecimento.

Em seguida, mencionou a intimidade de Lula com o ex-diretor a quem tratava como “Comendador” ou “Paulinho”, além da interlocução que Costa tinha com a então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, a ponto de lhe mandar, em 29 de setembro de 2009, o e-mail revelado por VEJA em novembro de 2014.

Na ocasião, Costa passou por cima de toda a hierarquia da Petrobras para advertir o Palácio do Planalto que, por ter encontrado irregularidades pelo terceiro ano consecutivo, o Tribunal de Contas da União (TCU) havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três grandes obras da estatal, entre elas a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Assim, como quem não quer nada, mas querendo, Costa lembrou a Dilma, naquele e-mail, que em 2007 houve solução política para contornar as decisões do TCU e da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Lorenzoni questionou o objetivo da mensagem:

“Para quê? Para não interromper o fluxo da roubalheira! O senhor estava prestando serviço para o seu chefe.”

O deputado do DEM pediu então a convocação de Lula à CPI para “dizer ao Brasil se é verdade que ele escolheu Paulo Roberto para deixar mais fornida a quadrilha, se é verdade que ele foi traficante de influência para a família Odebrecht e se é verdade que o diretor-presidente Ricardo Pessoa, da UTC, não tinha hora para entrar no Palácio, entrava a hora que queria, porque era o homem da copa e da cozinha”:

“Luiz Inácio Lula da Silva tem muita explicação para dar ao Brasil e é missão dessa CPI botá-lo nesta cadeira.”

A intervenção de Lorenzoni sobre Lula começa especialmente a partir dos 6 minutos do primeiro vídeo abaixo e vai até o final do segundo.

Assista. Transcrevo outras partes em seguida.

“O senhor é o homem chamado de Paulinho. Eu não conheço nenhum outro dirigente da Petrobras com quem um presidente da República tinha esse grau de intimidade. O senhor é o homem a quem Lula deu o título de Comendador, decerto pelos ótimos serviços prestados à quadrilha petista que estava lá na Petrobras.”

“Porque o senhor atendeu o PT, o senhor pagou a conta da barriga de aluguel, mas o senhor ajudou muito o PT a fazer caixa. E quando o senhor teve que escolher em ajudar alguém do partido que lhe deu a maior honra, o maior cargo que o senhor ocupou na vida, [para] quem é que o senhor tirou dinheiro do bolso para pagar? Foi para deputado do PT, foi para candidatura do PP? Não, o senhor tirou do seu bolso, da sua conta para doar para a campanha do PT de 2010 no Rio [de Janeiro].”

“O senhor é o homem que tinha a capacidade de mandar um e-mail para a ex-ministra Dilma Rousseff sugerindo que a mesma atitude política adotada em 2007 e 2008 – o senhor confessou isso!… Para evitar que o TCU interrompesse Abreu e Lima, a Renest. Para quê? Para não interromper o fluxo da roubalheira! O senhor estava prestando serviço para o seu chefe.”

“E aí o ex-líder do Partido Progressista, ex-ministro de Dilma Rousseff, no dia 29/03/2014: ‘Quem era o principal interlocutor de Paulo Roberto?’ Não é um qualquer, não é um deputado de oposição falando, era o ex-ministro Mario Negromonte, aqui textualmente: ‘Quem tinha contato direto com ele era Lula’! Isso a gente sabe.”

“Eu encontrei em 6 de maio de 2004, próximo da sua assunção ao cargo de diretor, o Pedro Corrêa, que é um boquirroto, (…) dizendo – antes da sua nomeação – que o novo diretor será Paulo Roberto Costa. Por quê? Porque ele ouviu da boca do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva.”

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Veja: Dinheiro para pagar Dirceu saiu de ‘conta-propina’ do PT

4 de julho de 2015

 

capa380

DISFARCE – José Dirceu faturou 39 milhões de reais supostamente prestando serviços de consultoria. Os documentos de Pessoa mostram que o dinheiro usado para pagar o ex-ministro saiu da conta-propina do PT, abastecida com dinheiro desviado da Petrobras(Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

O petista José Dirceu ganhou muito dinheiro. Desde que deixou a Casa Civil abatido pelo escândalo do mensalão, em 2005, o ex-ministro recebeu cerca de 39 milhões de reais oficialmente fazendo consultorias para o setor privado. As investigações da Operação Lava-Jato, no entanto, desvendaram a verdadeira natureza dos serviços do mensaleiro. Em sua delação premiada, o empreiteiro Ricardo Pessoa apresenta documentos que mostram que as consultorias nada mais eram do que fachada para o recebimento de dinheiro desviado da Petrobras. O dono da UTC contou aos investigadores que foi procurado pelo ex-ministro em meados de 2012. Dirceu, que exercia forte influência sobre os diretores da Petrobras, ofereceu ao empreiteiro os seus serviços de consultor. Assim como no caso do pedido de Edinho Silva, negar dinheiro a Dirceu poderia ser sinônimo de problemas. Melhor não arriscar. Afinal de contas, os negócios iam muito bem. O empreiteiro fechou um acordo para pagar 1,4 milhão de reais ao mensaleiro. O objeto do contrato: prospectar negócios no exterior.

A única coisa que José Dirceu prospectou foram aditivos ao contrato. Sem nenhum tipo de serviço prestado, o consultor conseguiu mais 906 000 reais da UTC no ano seguinte. Quando a última parcela desse segundo contrato venceu, Dirceu já fazia parte da população carcerária do presídio da Papuda, em Brasília. Mas nem a prisão foi capaz de atrapalhar os negócios do ex-ministro. Ricardo Pessoa contou aos investigadores que, a pedido do próprio Dirceu, assinou um segundo aditivo, de 840 000 reais. O contrato foi firmado quando o mensaleiro já estava no terceiro mês de prisão. “Apenas e tão somente em razão de se tratar de José Dirceu e da sua grande influência no PT é que, mesmo sabendo da impossibilidade de ele trabalhar no contrato firmado, porque estava preso, o aditamento foi feito e as parcelas continuaram a ser pagas”, disse o dono da UTC aos procuradores. O mais impressionante: como a tabela acima comprova, metade do dinheiro pago pela UTC a Dirceu foi debitada com autorização de Vaccari da conta-corrente que a empreiteira administrava para o PT. Ou seja, o ex-ministro foi pago com propina da Petrobras.

recortes-ed-2433-pg-44-original

 

Matéria da revista Veja

Tesoureira do Instituto Lula será ouvida na CPI

18 de junho de 2015

Fechando o cerco. Estão bastante suspeitas as doações miliardárias feitas ao Instituto Lula.

Fico pensando: para que alguém pagaria para ouvir uma palestra dele?

Matéria do

Blog do Onyx

Liberdade | Democracia

Vamos ouvir também a tesoureira do Instituto Lula

 

 

instituto lulaRequeri hoje ao presidente da CPI da Petrobras, Hugo Motta, a convocação de Clara Levin Ant, tesoureira do Instituto Lula que, segundo o próprio presidente da entidade, Paulo Okamotto,  cuida do dinheiro. Okamotto foi entrevistado pela Revista Poder(Joyce Pascovitch), em 2013, e disse:

“- Sou o presidente do Instituto Lula e a Clara Ant, a tesoureira. Nós cuidamos(do dinheiro da pessoa jurídica de Lula).”

Clara Ant nasceu em La Paz, na Bolívia. Descobriu a vocação para a política e virou ativista do PT. Foi deputada estadual em São Paulo e integrou a Comissão Executiva Nacional do PT. Desde 1991, assessora o ex-presidente Lula, participou de todas as suas campanhas eleitorais e das caravanas da cidadania. Foi assessora especial de Lula e participou da equipe de transição de governo. Clara faz parte da diretoria do Instituto Lula desde janeiro de 2011, com a responsabilidade de coordenar e subsidiar a agenda do ex-presidente.

Já conseguimos aprovar na CPI o requerimento para ouvir o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e agora vamos levar à votação esse requerimento, para ouvir Clara Ant, que cuida do dinheiro. Segundo apurou a Polícia Federal, essa organização recebeu R$ 3 milhões da Construtora Camargo Corrêa, entre 2011 e 2013.

E com o quebra-cabeças montado, chegaremos em quem comandou toda essa roubalheira na Petrobras e no bolso dos brasileiros.

req clara 3req clara 2req clara 1

Deputado Onyx Lorenzoni demonstra que Vaccari, tesoureiro do PT, mentiu.

10 de abril de 2015

Aos 5:50 seg o depoente chega a balançar a cabeça concordando com a demonstração da mentira.

O arrogante e todo poderoso tesoureiro do PT é destruído ante a argumentação do deputado Onyx.

Assista:

 

CPI aprova convocação de João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, e mais 15 pessoas

25 de março de 2015

Alguns dos convocados são os seguintes: 

Reunião da Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores

– João Vaccari Neto, o Moch, tesoureiro do PT – as acusações são de que ele seria operador do PT no esquema de pagamento de propina oriunda de contratos da Petrobras, revelado pela Operação Lava Jato. O partido tem declarado que recebeu somente doações legais;

Luciano Coutinho
– Luciano Coutinho, presidente do BNDES – a CPI vai inquiri-lo sobre o financiamento da companhia Sete Brasil, de exploração de sondas;

Pedro Barusco
– Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da Petrobras – Será ouvido novamente sobre as irregularidades na operação da companhia Sete Brasil, e sobre a venda de ativos da Petrobras na África;

Venina-Velosa
– Venina Velosa da Fonseca, ex-gerente executiva da diretoria de Refino e Abastecimento da Petrobras – cobrou a antiga diretoria irregularidades que teria constatado e em represália foi transferida para o Oriente Médio; 

Fernando de Castro Sá

– Fernando de Castro Sá, ex-gerente jurídico da Petrobras – assim como Venina Velosa, foi punido por denunciar falcatruas;

– Mauro Cunha, ex-integrante do Comitê de Auditoria da Petrobras;
– Heyder de Moura Carvalho, ex-gerente de Compras para Empreendimentos da Área de Abastecimento da Petrobrás
– Mário Góes, apontado como operador do esquema;
– Augusto Mendonça, executivo da empresa Toyo Setal;
– Nilo Vieira, presidente do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj);
– Jansen Pereira, ex-gerente executivo do Comperj;
– Antônio Carlos Pinto de Azeredo, ex-presidente da Transportadora Gasene;
– Renato Sanches Rodrigues, diretor de operações e participações da empresa Sete Brasil;
– Luiz Eduardo Guimarães Carneiro, diretor-presidente e de relações com investidores da empresa Sete Brasil;

NÃO RESTARÁ PEDRA SOBRE PEDRA

Foram aprovados também os seguintes requerimentos:

– de cópias do inteiro teor de todas as gravações e vídeos das reuniões do Conselho de Administração da Petrobras no período de 2005 a 2015;

– dos pareceres jurídicos, relatórios da auditoria e contratos dos projetos de construção das refinarias no período de 2005 a 2015;

– das cópias de todos os contratos celebrados entre a Petrobras e as empresas envolvidas na construção da refinaria de Abreu e Lima.

Dá para imaginar o conteúdo desta documentação confrontado com certas declarações?

Tempo quente pela frente.

http://www.eniomeneghetti.com

 

 

Renúncia já!

8 de março de 2015

“Dilma,  ‘revoltada’, afirmou que a Petrobras tinha a contabilidade das mais apuradas do mundo.”

Texto publicado no Estadão – grifos do blog

MIGUEL REALE JUNIOR*

07 de março de 2015

“A indignação em vista do descalabro moral e gerencial do governo veio à tona com a elevada rejeição da presidente. Fala-se cada vez mais em impeachment, cassação do seu mandato pelas vias legais.

Em entrevista concedida por José Dirceu em junho de 1992 ao programa Roda Viva, disse o então deputado: ‘Não se faz impeachment na Câmara e no Senado, ele acontece na sociedade; eu disse e quero repetir que o impeachment não se resolve no Congresso Nacional, se resolve nas ruas e se resolve com uma coalizão político-partidária’.

Porém, além dos fatores sociais e políticos, consistentes no apoio das ruas e na expressiva maioria parlamentar, há de se ter, para o impeachment, a acusação de ação ou omissão enquadrável em algum dos 65 tipos de conduta descritos na Lei n.º 1.079, de 1950. Nos governos Lula e no primeiro mandato de Dilma, poder-se-ia encontrar a violação ao dever de probidade na administração pela ausência de zelo da moralidade administrativa, não se tornando efetiva a responsabilidade dos subordinados em face de delitos funcionais, tal como preceitua o artigo 9o, item 3, da Lei 1.079.

Primeiramente, entendo que as infrações políticas que podem levar ao impeachment são exclusivamente previstas na forma dolosa, ou seja, intencional. Assim, os fatos devem revelar a intenção do governante de não tomar providências em vista da improbidade cometida por subordinados, o que circunstâncias a seguir lembradas podem indicar.

Em 2009, sendo Lula presidente da República e Dilma chefe da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, instalou-se no Senado a CPI da Petrobras, tendo em vista, principalmente, relatórios do Tribunal de Contas da União (TCU) revelando sobrepreços na obra da Refinaria Abreu e Lima.

No dia da instalação da CPI, Lula declarou que a comissão não era do Senado, era do PSDB, e só impatriotas punham a Petrobras em investigação, tendo a certeza de não haver irregularidades na empresa e Dilma, “revoltada”, afirmou que a Petrobras tinha a contabilidade das mais apuradas do mundo.

Lula interferiu na composição da CPI, combinando com o líder do PMDB, Renan Calheiros, a indicação da relatoria para o sempre governista Romero Jucá, ambos possíveis beneficiários dos desvios, segundo o procurador da República. Fernando Collor fazia parte da CPI e foi cooptado por Lula em troca do poder de nomear dois diretores da BR Distribuidora, suspeita de repassar importâncias ao senador. Os diretores sugeridos por Collor foram aprovados pelo conselho de administração presidido por Dilma. Estava tudo armado para o ocultamento.

Romero Jucá, no relatório da CPI, concluiu que as indicações de sobrepreço na Abreu e Lima decorriam da aplicação equivocada de índices pelo TCU, certo de que o tribunal viria a concordar com suas assertivas.

Lula e Dilma trabalharam para o fracasso das investigações do Senado e sabiam de tudo, segundo o doleiro Alberto Youssef. Na CPI encobriram-se irregularidades que só vieram à tona em março de 2014, sem nenhuma contribuição do governo Dilma. Já presidente da República, Dilma manteve a diretoria que administrava a Petrobras, deixando que continuassem a surrupiar quantias astronômicas, impossíveis de não ser percebidas, e em parte desaguadas na tesouraria do seu partido.

Mas mesmo que fique configurada conivência da presidente com os malfeitos, ao deixar sem apuração os desvios ao longo do tempo, tipificando-se, eventualmente, a conduta descrita no artigo 9o, item 3, acima lembrado, todavia, essa omissão dolosa teria ocorrido no período passado. A pena do impeachment visa a exonerar o presidente por atos praticados no decorrer do mandato. Findo o exercício da Presidência, não se pode retirar do cargo aquele cujo governo findou. Diz o artigo 15 da Lei do Impeachment que a denúncia deverá ser recebida se o denunciado não tiver, por qualquer motivo, deixado o cargo. E Dilma deixara o cargo de presidente por ter terminado o mandato, tomando posse de outro, que se iniciou em 1o de janeiro com faixa presidencial e juramento.

Assim, se há manifestações nas ruas e grave crise de governabilidade, complicada por inflação e estagnação, falta, no entanto, fato concreto entre janeiro e março deste ano constitutivo de infração política a justificar o impeachment. Com tempo para agir, o governo repensa a não aplicação da Lei Anticorrupção às empresas, que poderia levar ao impeachment, como bem suscitou Modesto Carvalhosa. Se não há crime de responsabilidade, pode haver crime comum, por ora com pedido de arquivamento.

Na entrevista de 1992 ao Roda Viva, José Dirceu disse ser uma via a renúncia de Collor em razão de não ter “condições éticas e políticas de continuar governando o País”. Tal sucede com Dilma. Há uma revolta em face da imoralidade do “desgoverno”. Soma-se o amplo espectro político da corrupção revelado pelo procurador-geral da República, com ministros, presidentes do Legislativo e outros líderes do Congresso Nacional investigados no escândalo. Houve um ataque frontal à democracia com promiscuidade organizada entre Executivo e Legislativo. As bases da República foram corroídas no seu cerne. Apodreceram o Brasil.

No próximo dia 15, a passeata dos indignados deve clamar por patriótica e ampla renúncia. Dilma não tem condições éticas e políticas para governar, carente de qualquer credibilidade pelo passado nefasto e por ausência de autoridade moral: é apenas a triste condutora de sua herança maldita com um séquito de ex-ministros investigados.

A saída da crise é ainda mais estreita com representação do procurador-geral, pois Eduardo Cunha e Renan também devem renunciar à presidência de suas Casas. Malgrado a presunção de inocência, não contam com as imprescindíveis confiança e independência para desinfetar o Brasil.

Renúncia já: a única via em busca de pacto sério para reconstrução do País.”

* Miguel Reale Jr é  jurista, professor Titular de Direito Penal da USP, autor de diversos artigos publicados nos mais diversos veículos. Exerce a cátedra de direito penal no Departamento de Direito Penal, Medicina Forense e Criminologia da Faculdade de Direito da USP. Filho do também jurista Miguel Reale. Foi Ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso.

 

Lula-impeachmentdilma-rousseff-20130605-69-size-598janio

Nixon renunciaJango

Pois que quebrem!

14 de janeiro de 2015

WP_20150114_003

“A revista Veja desta semana traz uma matéria com informações do engenheiro baiano Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia. Sempre apontado como amigo do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Ricardo Pessoa está preso e é considerado coordenador do cartel de empreiteiras envolvidas na Lava Jato.

A reportagem afirma que um manuscrito produzido por Pessoa faz ligação entre os contratos sob suspeita assinados entre as empreiteiras e a Petrobras e o caixa de campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff.

O texto, aparentemente vazado por Ricardo Pessoa – e por isso mesmo encarado como alguma espécie de “recado” – diz que todas as empreiteiras acusadas no esquema da Operação Lava-Jato doaram para a campanha de Dilma Roussef.

Ricardo Pessoa ainda diz que o volume de dinheiro desviado através de  Paulo Roberto Costa é quase nada frente a outros negócios da Petrobras que também teriam servido à coleta de propina. Ele ressalta ainda estranhar que tenham sido processadas até agora  apenas seis das 16 empreiteiras que fizeram negócios bilionários com a Petrobras.

Enquanto isso, também soube-se nesta semana que a CGU – Controladoria-Geral da União – tentou promover um acordo para evitar que as empreiteiras envolvidas na Lava Jato ficassem impedidas de fechar novos contratos com o governo. A proposta, revelada pelo jornal  O Globo, felizmente foi rejeitada pela força-tarefa do MPF. O acordo foi encarado pelos investigadores como uma tentativa do governo de salvar as empreiteiras. A proposta sugeria a fixação de multas às empreiteiras no âmbito administrativo. Assim, as empresas devolveriam dinheiro aos cofres públicos e se livrariam da declaração de inidoneidade, que as impediria de fechar novos contratos.

A cândida motivação para tal proposta seria que “a declaração de inidoneidade provoca uma grande possibilidade de fechar a empresa”… Senão, “poderiam entrar em crise financeira e não teriam dinheiro nem mesmo para ressarcir parcialmente os prejuízos”.  Foram além na descrição do apocalipse: “a insolvência poderia até contaminar o sistema financeiro, especialmente bancos que abrigam negócios das empresas”.

O raciocínio destes parece ser de que o tamanho do crime é que define a punição! Isto é, se o crime é imenso, não se pode punir conforme a lei, sob pena de o sistema entrar em colapso…

Que eu não seja mal interpretado, mas se é assim, que quebrem.

Espera-se que o MPF e as autoridades encarregadas deste caso mantenham-se firmes. Que sirva de lição para outros tantos “empresários” que só sabem fazer negócios debaixo da saia dos governos. E os bancos que os financiaram, devem arcar com os riscos das operações que contrataram.

Que cumpram-se os contratos. E a lei.”

Enio Meneghetti