Posts Tagged ‘petralhas’

“AMIGO” X “INIMIGO”

18 de abril de 2017

 

O Ministro Edson Fachin prestou um desserviço à Lava Jato ao autorizar a divulgação da lista de Janot sem separar os diversos tipos de enquadramentos.

 

Há diferença enorme entre quem que recebe contribuição de campanha em um valor razoável e quem assalta órgãos públicos, como Petrobrás, BNDES, etc. para enriquecer, financiar o próprio luxo, comprar apoios políticos, editar medidas provisórias, fazer emendas. Isso consiste em corromper a democracia em um projeto totalitário de poder.

 

Está em curso uma manobra manobra visível para fazer vala comum e banalizar a corrupção. Nos interrogatórios dos criminosos como Emílio Odebrecht, isso é notável.

 

Outro criminoso confesso, Alexandrino Alencar, em seu interrogatório foi indagado sobre a mecânica das doações a candidatos: “Nessas conversas, o sr. era procurado ou procurava para oferecer as doações? Alexandrino: “Não me recordo de ter tomado a iniciativa de procurar alguém para doações.” – responde com um sorriso sarcástico. O procurador continua: “Como era a conversa típica dessas doações? O sr. levantava algum interesse? – Alexandrino: “A contrapartida? Sem dúvida nenhuma, todas as doações tinham uma conversa relacionada com alguma empresa do grupo, relacionada ao candidato. No RS você tinha… ãh… questões de petroquímica, (…) etc.

 

Já no vídeo referente ao deputado Onyx Lorenzoni, Alexandrino se contradiz.  Ele afirma que vislumbrou um grande talento em Onyx e foi procura-lo, no ano de 2006. Queria “mantê-lo próximo” devido “ao volume de investimentos que tínhamos no RS”. Afirma ter ele oferecido R$ 175 mil para sua campanha. Indagado sobre qual a “contapartida”solicitada, afirma que era somente uma “parceria para o futuro”. Atrapalhou-se todo e não lembrou onde teria sido o encontro, não soube como teria sido entregue o recurso.  Disse que foi uma decisão isolada sua, porque tinha “autonomia” para tanto. O procurador pergunta acerca de uma planilha entregue por Alexandrino e ele destaca: – Está aqui, “Inimigo”. E aponta a data da doação: “Dia 10 de outubro de 2006”.

 

A data de 10 de outubro foi após a realização do I turno. O deputado já estava reeleito. Na ocasião, a candidata Yeda Crusius já havia brigado com o então PFL, hoje DEM, com o presidente da sigla, deputado Onyx e com o Vice Paulo Feijó. Era o momento em que Yeda publicamente tentava substituir o candidato vice na chapa majoritária, após o I e antes do II turno daquela eleição. Ora, que retorno “para o futuro” esperava obter Alexandrino em seus “investimentos no RS” através de Onyx, então? Registre-se que nenhuma outra doação foi apontada pelo delator.

O honroso codinome “Inimigo”, teria sentido em 2006 ou somente dez anos depois? Foi mesmo atribuído em 2006?

 

Onyx foi o relator das 10 medidas contra a Corrupção, negou-se a participar de todas as manobras tentadas para melar a Lava Jato, inclusive a tentativa de anistiar  o Caixa 2. Justamente o enquadramento que Alexandrino lhe proporcionou somente agora, no depoimento em dezembro de 2016.  Muito estranho. A história não fecha.

 

Ao delator cabe o ônus da prova. Se não apresentar provas cabais do que afirma, seu benefício da Delação Premiada pode até ser anulado.

 

Ele bem merece.

Enio Meneghetti

artigo publicado no Jornal “Correio de Cachoeirinha” terça feira, 18.04.2017

 

 

Anúncios

O SAMBA DE PAULO FERREIRA

5 de julho de 2016

WP_20160705_14_21_34_Pro (1)

Pela segunda vez teve prisão preventiva decretada  o ex deputado federal (PT) gaúcho Paulo Ferreira. Entre 14/03/2012 a 17/03/2014, assumiu como suplente. Condição que mantém na atual legislatura, porém sem assumir.

 

Paulo Ferreira foi um dos alvos de prisão da Operação Abismo, deflagrada nesta segunda feira, 04 de julho, na 31ª fase da Lava Jato. Ferreira já estava preso, já que foi um dos alvos da Operação Custo Brasil, aquela que prendeu o ex-ministro de Lula e Dilma, Paulo Bernardo, marido da senadora (PT) Gleisi Hoffman.

 

O ex-tesoureiro do PT foi delatado pelo ex vereador petista Alexandre Correa de Oliveira Romano, o  Chambinho.  O delator  entregou documentos que comprovam as transferências bancárias e pagamentos que efetuou a pedido de Paulo Ferreira, detalhando ainda o vínculo entre os beneficiários das remessas e o ex-tesoureiro.

 

Chambinho explicou que utilizava suas empresas, Oliveira Romano Sociedade de Advogados, a Link Consultoria Empresarial e a Avant Investimentos e Participação Ltda., para simular contratos de prestação de serviços para esconder o recebimento de valores recebidos como propina.

 

Entre as empresas que lhe repassaram valores, algumas que compuseram o Consórcio Novo Cenpes, objeto da Operação Abismo. Chambinho declarou que a pedido de Paulo Ferreira recebeu recursos destinados ao PT e ao próprio Paulo Ferreira.

 

Chambinho contou que apelou ao ex tesoureiro pedindo para que lhe fizesse indicações de clientes. Ferreira propôs que trabalhassem “em parceria”, onde ele indicaria a empresa e Chambinho simularia os serviços prestados. Depois também ajudaria Ferreira a financiar sua campanha eleitoral. assim, Paulo Ferreira indicou ao depoente seis empresas. Atuaram com o superfaturamento de contratos de prestação de serviços advocatícios ou pela simulação de contratos de consultoria.

 

Não havendo efetivo trabalho, Paulo Ferreira recebia 70% do valor da nota emitida e o Chambinho com 30%. Em havendo, com contratos superfaturados, o percentual era de 60% para Paulo Ferreira e 40% para Chambinho. A parceria funcionou entre 2009 e 2012.

 

A força-tarefa da Operação Abismo trouxe ainda uma notícia sobre a comemoração do aniversário do ex-tesoureiro: “Uma dupla homenagem a Paulo Ferreira, pelos seus 53 anos de vida e por sua nova empreitada em Brasília, onde recentemente foi empossado como deputado federal pelo PT.”

A luz dos fatos atuais a festança é de embrulhar o estômago. Como convidado de honra, José Dirceu, veio a Porto Alegre para o evento digno da revista Caras. 

Marco Maia e outras  figuras do mesmo naipe deram o ar da graça. 

Um luxo!

puxa saquismo explícito, em estado de graça! A prodigalidade com o dinheiro dos outros em seus dias de glória!

Que vexame!

 

 

Assista: 

 

 

 

APESAR DO PODER DESSA GENTE!

21 de junho de 2016

GetAttachment

 

As audiências na Comissão Especial do Impeachment no Senado, infelizmente, tem sido uma chatice sem fim.

 

Tal e qual a estratégia mais básica dos porta-de-cadeia mais chinfrins, a atuação do trio parada dura –  Lindbergh (vá pesquisar sobre a administração dele na prefeitura de Nova Iguaçu…) Farias, Gleisi Hoffmann e Vanessa Grazziotin –  além do canastrão José Eduardo (caras e bocas) Cardoso, sonham apenas com a remota hipótese de arrastar o processo indefensável até os 180 dias de tramitação para salvar Dilma do desfecho inevitável com a prescrição.

 

Salvam-se raras participações, entre as quais destacaríamos Magno Malta e Ronaldo Caiado, não necessariamente nesta ordem.

 

Absolutamente detonada publicamente, reconhecida nacionalmente por suas grosserias, pela incompetência, confusão mental e truculência, Dilma já era. Sem nem entrar no mérito de tudo o que a Lava Jato já desnudou – até agora – acerca de seu governo.

 

Pena que a Lava Jato seja uma exceção. Bom seria existirem Lava Jatos sendo apuradas em todas as varas criminais do país.

 

Não trata-se da defesa de um Estado Policial e sim do tratamento quimioterápico que merece um país gravemente enfermo, desde o administrador público suspeito até o empresário corruptor, passando pelo cidadão que frauda o seguro do carro. Sim, há corruptos no dia-a-dia também.

 

Por isso devemos defender com unhas e dentes a prisão para condenações já na segunda instância, cuja validade alguns já ensaiam tentar alterar. Só quem pode garantir que esta conquista permaneça é a vigilância da opinião pública. Lembremo-nos sempre: o que inibe a criminalidade é a certeza da punição. E nesta máxima, a prisão após o trânsito em julgado na segunda instância deve ser tratada como pedra de toque.

 

Mas enfim, a conquista dos defensores de Dilma da realização de perícia nas pedaladas, é uma mais do que óbvia tentativa, dentre outras que virão, de atrasar o processo contra ela, ora em tramitação na Comissão Especial do Impeachment.

 

A sociedade tem de continuar atenta. Temos de tirar partido da instantaneidade da informação, alertando via redes sociais contra toda e qualquer tentativa de “melar” o andamento, tanto do processo de Dilma, quanto daqueles contra as operações em andamento, seja Zelotes e Lava Jato ou medidas “amigas” vindas das instâncias superiores, até do STF. Temos que viralizar, divulgar, criticar, protestar por escrito e/ou em manifestações organizadas qualquer ação no sentido de atrapalhar a punição de culpados. Literalmente, botar a boca no trombone.

 

O que realmente poderá colocar o Brasil no mapa mundi dos países influentes no cenário internacional será a lavagem da roupa suja que a Lava Jato tem nos proporcionado, com o perdão do trocadilho.

 

O vexame dos desaranjos, malfeitos e mentiras ocorridos durante a dinastia petista de Lula e Dilma só será apagado se o Brasil provar ao mundo que sabe resolver seus problemas, corrigir seus rumos, castigando culpados na forma da lei e sepultando a pecha de país da impunidade e da corrupção.

 

Chegaremos lá, apesar do poder dessa gente.

Enio Meneghetti

publicado no “Correio de Cachoeirinha”, edição de 21.06.2016

 

CANALHICE PETRALHA!

19 de fevereiro de 2016

N.A.: Como era óbvio, tinha de ter o dedo do PT – Franklin Martins – por atrás do caso “amante do FHC”. Estou nem aí para o FHC.

Baranga por baranga, Lula comia a Rosemery Noronha…

O que desejamos é ver os CORRUPTOS NA CADEIA.

O resto, é baixaria petralha.

‪#‎ProcessaEuLula‬

 
Só mesmo a canalhice pode explicar o patrocínio e a exultação petralha com o uso de um expediente chinelão como o que foi usado por Fernando Collor para abater Lula em 1989.

A lição valeu muito. Eles hoje são até aliados!

O que Collor fez em 1989 é a mesma coisa que os petralhas fazem agora com FHC, para tirar Lula e o PT do foco das manchetes políticas e policiais.

Que chinelagem. 

Uma bagaceirice sem igual. Inominável.

FHC que entenda-se com sua consciência, se agiu mal em algum momento.

Mas o que está em jogo nas atuais investigações criminais é muito mais grave.

OS PETRALHAS NÃO CONSEGUIRÃO MANIPULAR AS MANCHETES.

OS CRIMES COMETIDOS POR ELES NÃO TEM TERMO DE COMPARAÇÃO COM NADA MAIS QUE  ESTEJA ACONTECENDO NO BRASIL NESTE MOMENTO. 

A cambada que apoia Lula só trouxe à tona as inconfidências amorosas de FHC para tetar salvar Lula. Desespero.

Não, Lula não escapará tão facilmente assim.

 

#ProcessaEuLula

Enio Meneghetti

 

 

DE: O Antagonista:

“Acusado de utilizar a empresa Brasif Exportação e Importação para enviar ao exterior dinheiro destinado à ex-amante Mirian Dutra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso declarou não ter condições de se manifestar. Vai aguardar pelo pronunciamento da própria Brasif.

Eis o que afirmou FHC em nota oficial: “Desconheço detalhes da vida profissional de Miran Dutra. Com referência à empresa citada no noticiário de hoje, trata-se de um contrato feito há mais de 13 anos, sobre o qual não tenho condições de me manifestar enquanto a referida empresa não fizer os esclarecimentos que considerar necessários.”

Foi a própria Mirian Dutra quem informou, em conversa com a repórter Mônica Bergamo, que a Brasif socorreu FHC. Segundo ela, as transferências foram feitas por meio de um contrato fictício de trabalho. Assinado em dezembro de 2002, vigorou até dezembro de 2006 (veja reprodução abaixo).

No papel, a jornalista deveria prestar “serviços de acompanhamento e análise do mercado de vendas a varejo a viajantes.” Realizaria também pesquisas “tanto em lojas convencionais como em duty free shops e tax free shops” em países da Europa.

Reprodução

Mirian, que é jornalista e mantinha também um contrato com a TV Globo, disse que “jamais” realizou as tarefas previstas no documento da Brasif. A despeito disso, recebia US$ 3.000 por mês. Nessa versão, o dinheiro destinava-se a suplementar sua renda e de seu filho, Tomás Dutra Schmidt. “Eu trabalhava na TV Globo e tive um corte de 40% no salário em 2002. Me pagavam US$ 4.000. Eu estava superendividada, vivia de cartões de crédito e fazendo empréstimo no banco. Me arrumaram esse contrato para pagar o restante”, disse Mirian.

Ouvido, o dono da Brasif, Jonas Barcellos, não negou o acerto. Mas alegou não se lembrar de detalhes. “Tem alguma coisa, mesmo, sim”, afirmou, quando questionado sobre o contrato firmado com Mirian Dutra para ajudar FHC. “Eu só não sei se era contrato. […] Vou fazer um levantamento na empresa para esclarecer tudo.” Tratou do tema com FHC? “Faz muito tempo, eu preciso pesquisar e me lembrar para responder.”

Em sua nota, FHC comenta os dois testes de DNA que descartaram a hipótese de ele ser o pai biológico do filho de Mirian, Tomás. “Para nossa surpresa, o primeiro teste deu negativo, daí o segundo, que também comprovou que não sou pai biológico de Tomás. Sempre me dispus a fazer qualquer outro teste que os interessados julgassem conveniente.”

FHC reiterou no texto que, “a despeito” do resultado negativo dos testes de paternidade, procurou manter “as mesmas relações afetivas e materiais com o Tomás.” Continuou sustentando seus estudos. Confirmou ter doado ao rapaz um apartamento em Barcelona.

O dinheiro veio “de rendas legítimas de meu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas ao IR, mantidas no Banco do Brasil em NY/ Miami ou no Novo Banco, Madri, quando não em bancos no Brasil”, anotou FHC. Quanto à verba usada na compra do apartamento, foi trasnferida de sua conta no Bradesco, “com o conhecimento do Banco Central.”

Vai abaixo a íntegra da nota de FHC:

Com relação ao noticiário de hoje, faço os seguintes esclarecimentos:

Os dois testes de DNA para reconhecimento de paternidade que foram feitos nos Estados Unidos tinham o propósito de dar continuidade a meu desejo de fundamentar declarações feitas por mim em Madri de que Tomás Dutra Schmidt seria meu filho (Ele, então, morava em Washington). Para nossa surpresa, o primeiro teste deu negativo, daí o segundo, que também comprovou que não sou pai biológico de Tomás. Sempre me dispus a fazer qualquer outro teste que os interessados julgassem conveniente.

A despeito disso, procurei manter as mesmas relações afetivas e materiais com o Tomás. Daí que tivesse continuado a pagar sua matrícula e sustento em prestigiada universidade americana. Da mesma forma, doei mais recentemente um apartamento a ele em Barcelona, bem como alguns recursos para fazer os estudos de mestrado e, quando possível, atendo-o nas necessidades afetivas.

Os recursos para tanto provieram de rendas legítimas de meu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas ao IR, mantidas no Banco do Brasil em NY/ Miami ou no Novo Banco, Madri, quando não em bancos no Brasil.

A doação para a compra do imóvel foi feita por intermédio de transferências de recursos meus no Bradesco com o conhecimento do Banco Central. Nenhuma outra empresa, salvos as bancárias já referidas, foi utilizada por mim para fazer esses pagamentos.

Desconheço detalhes da vida profissional de Miran Dutra. Com referência à empresa citada no noticiário de hoje, trata-se de um contrato feito há mais de 13 anos, sobre o qual não tenho condições de me manifestar enquanto a referida empresa não fizer os esclarecimentos que considerar necessários.

Questões de natureza íntima, minhas ou de quem sejam, devem se manter no âmbito privado a que pertencem.

A SORTE DE PERDER UMA ELEIÇÃO  

28 de outubro de 2015

Z

Dilma prometeu o paraíso durante a campanha eleitoral.

Cobrada pela óbvia impossibilidade de cumprir o que dizia, chegou a cunhar a expressão “nem que a vaca tussa” ao negar que mexeria nos direitos trabalhistas.

Pois como já cansou de ser repetido, a vaca não só tossiu, como foi para o brejo. 

Dilma fez o que acusava seus adversários pretenderem. A expectativa de crescimento ruiu, a educação infantil sofreu cortes, os direitos trabalhistas foram alterados.

Dilma, Lula e o PT afirmaram que Aécio Neves, em seguida à posse, executaria um verdadeiro pacote de maldades contra os pobres. A realidade mostrou que malvado não era o tucano e sim a própria Dilma.

As tesouradas de madame já atingiram o PAC, o Minha Casa Minha Vida, o Pronatec.

Fim para a construção de creches, unidades básicas de saúde, etc. 

Maquiando a gastança, Dilma manteve as aparências. Mas o TCU apresentou a conta das pedaladas fiscais. 

Seu criador Lula circula pelo país com um discurso incoerente e fora da realidade, que chega a soar ofensivo a quem tem mais de um neurônio.

Ele não pode atacar a “herança maldita”  e passa recibo. A uma rádio baiana disse:  

“Na campanha, a Dilma dizia que esse negócio de ajuste era coisa de tucano e que ela não ia mexer no direito dos trabalhadores. Mas ela foi obrigada por circunstâncias políticas a ter que fazer um ajuste”.

De “Pátria Educadora”, passamos a Pátria Enganadora. Foram cortados R$ 2,9 bilhões das escolas públicas.

São apenas alguns exemplos da crise sem precedentes no campo econômico, político, moral e ético. A gestão das contas públicas culminou na violação da Lei da Responsabilidade Fiscal para cobrir rombos nos bancos públicos feitos não só para pagar programas sociais, como chegou a afirmar Lula. 

Segundo o BNDES e o Banco do Brasil, os financiamentos a grandes empresas e ruralistas de médio e grande porte correspondem a 47% e 63%, respectivamente, dos valores financiados nessas linhas de crédito, conforme revelou a Folha de SP da última segunda feira (26). A matéria ainda ressalta:

“Uma parte das pedaladas esteve, de fato, ligada a programas sociais executados pela CEF (Caixa Econômica Federal). Essa fatia, no entanto,  foi minoritária.” 

Com esse quadro caótico, chega-se a conclusão que ter perdido a eleição pode ter sido sorte. 

Na apuração, Aécio Neves esteve na liderança até 19:32 h, com 88% dos votos totalizados, dentro daquelas duas horas do incômodo “buraco negro” devido ao fuso horário do Acre, engenhoca do TSE do ministro Dias Toffolli.

Imaginem a repercussão se o povo soubesse ao vivo e a cores a quase impossível  virada na última meia hora,  para afinal o tucano sair derrotado por inacreditáveis 50,05 a 49,95% dos votos válidos. 

Mas vá lá que seja. Conclui-se com o que hoje se sabe sobre a realidade das contas públicas, que se eleito, Aécio passaria os quatro anos do mandato tapando buracos e dando explicações.

Seria certamente xingado e achincalhado diariamente por expoentes do partido do atual governo para aparecer como o “culpado” do estado de coisas que os governos petistas cometeram.

Provavelmente seria acusado de usar a Polícia Federal e – quem sabe – até o Judiciário (!!!) para “perseguir” o PT.

E o que estaria acontecendo seria apenas o que se lê e vê hoje em dia. Pobrezinhos inocentes.

Depois de tudo isso, quando chegássemos em 2018, muito provavelmente o PT voltaria com a casa arrumada, para destruir tudo outra vez.

Donde se conclui que, desta vez, foi sorte perder a eleição.

O PT está com a batata quente que criou.  

Enio Meneghetti

 

Os petralhas criaram o monstro, agora aguentem!

29 de agosto de 2015

charges-eleicoes-5

Não dá mais. Nem os petistas suportam Dilma Rousseff

O naufrágio do Titanic Dilma chegou à cabine petista.

1) Walter Pinheiro (PT-BA) afirmou ao Broadcast que firmará posição contra a volta da CPMF, derrubada em 2007: “Sou radicalmente contra, o imposto vai explodir a inflação e aumentar ainda mais a retração econômica”. Em conversa com ministros, o senador chegou a ponderar se há “falta de rumo” no governo.

Acorde, Pinheiro. Não há governo.

2) O recuo de 1,9% do PIB no segundo trimestre – que está em 33º em ranking com 35 países e atinge em cheio os trabalhadores pobres com a diminuição das ofertas de trabalho – foi considerado um “desastre” por interlocutores de Dilma, segundo o Estadão.

Um auxiliar direto da suposta presidente disse ao jornal que “a combinação de popularidade no ‘volume morto’ e queda acentuada do PIB torna mais difícil a ‘equação’ para o governo, que se vê confrontado com ameaça de impeachment, ‘caos político’ na relação com o Congresso e desgaste com a adoção de uma série de medidas impopulares”.

Se a suposta economista Dilma mal consegue resolver uma ‘equação’ fácil (como 13 – 4, que, para ela, é igual a 7), imagine uma difícil, que ainda inclui o rombo de R$ 10 bilhões nas contas públicas em julho, o pior desempenho desde 2001.

Melhor o PT pedir o impechment também, antes que o Brasil morra afogado.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

TIROU MUITA LÃ. AGORA SERÁ TOSQUIADO

31 de julho de 2015

Tirou muita la

 

Luiz Inácio Lula da Silva: “Eu quero dizer para vocês que eu estou cansado de mentiras e safadezas. Eu estou cansado de agressões à primeira mulher que governa esse país. Eu estou cansado de ver o tipo de perseguição e o tipo de criminalização que tentam fazer às esquerdas nesse país. Eu tenho a impressão que muitas vezes a gente vê na televisão, parece os nazistas criminalizando os judeus, os romanos criminalizando os cristãos, os fascistas criminalizando o povo italiano. Parece tantas outras perseguições que a gente já viu”.

 

Em um final de semana onde o elemento acima nominado foi capa negativa de uma das revistas mais importantes deste país, ele teve o topete de pronunciar estas palavras. Aliás, sempre que é acossado por suspeitas terríveis, ele apela para o discurso do coitadismo. É uma farsa que não engana a mais ninguém que seja isento ou possuidor de pelo menos dois neurônios.

 

A reportagem explica o relacionamento entre Léo Pinheiro, o homem que brindou o ex presidente com o apelido de Brahma, e Lula. As revelações incluem os devidos respingos na fortuna amealhada por Lulinha. Léo Pinheiro, ex presidente da empreiteira OAS, está negociando a delação premiada. É uma bomba armada para explodir. No colo de Lula.

Depois de preso por seis meses em Curitiba, agora em prisão domiciliar, carrega a indefectível tornozeleira eletrônica. Enterrado até a alma na Lava Jato, se condenado, amargará dezenas de anos no cárcere. Veja afirma que Léo Pinheiro relatará ao Ministério Público Federal detalhes de como o ex-presidente se beneficiou fartamente da farra do dinheiro público roubado da Petrobras.

Algumas das revelações:

– A OAS presenteou Lula com uma reforma em um sítio em Atibaia – SP. O imóvel está em nome de um sócio de Lulinha, mas  o verdadeiro dono é Lula;

– Léo Pinheiro arranjou, a pedido de Lula, serviço e dinheiro para o marido de Rosemary Noronha, sua amante, porque ela ameaçava contar tudo que sabia dos esquemas do petista após ser abandonada em desgraça;

– Léo Pinheiro também traria detalhes de como Lula virou dono do tríplex no edifício Solaris, no Guarujá (SP), em uma das oito obras assumidas pela OAS depois do escândalo da quebra em 2006 da Bancoop, então presidida por João Vaccari Neto.

Isso seria apenas uma amostra do produto oferecido ao MPF. É mole?

Lula tem motivos para preocupação, o que o leva a proferir as besteiras transcritas lá em cima.

Ele não perde por esperar. Vem chumbo grosso. 

Enio Meneghetti