Posts Tagged ‘FHC’

A HORA DO DESESPERO

30 de maio de 2017

 

 

Embora ele tenha dado entrevistas negando a possibilidade de concorrer a um mandato tampão, ainda tem gente querendo emplacar Nelson Jobim.

 

Jobim é atualmente banqueiro, sócio de André Esteves no Banco BTG Pactual. O mesmo Esteves que foi preso preventivamente, juntamente com Delcídio Amaral,  como suspeito de envolvimento no caso da compra do silêncio de Nestor Cerveró.

 

Claro que Jobim não tem nada com isso, mas foi bastante comentado – certamente pura fofoca  – que “embargos auriculares” teriam sido promovidos por Jobim para o relaxamento da prisão preventiva de Esteves.

 

Jobim foi deputado constituinte. Admitiu publicamente ter enxertado na atual Constituição Federal artigos que não foram votados. Teria sido uma manobra combinada com Ulisses Guimarães, segundo ele.

 

Ele também protagonizou em seu escritório o famoso encontro entre Lula e Gilmar Mendes, quando Lula “intimou” Gilmar a aliviar no julgamento do Mensalão. A tentativa desajeitada rendeu um enorme bafafá, na ocasião.

 

Ministro da Justiça, ministro e presidente do STF, ministro da Defesa, em cuja gestão fantasiou-se para tirar foto com farda camuflada em uma incursão na Amazônia, Nelson Jobim é o nome preferido por Fernando Henrique Cardoso, por Lula e, ao que se sabe, até por Michel Temer.

 

Obteria os votos do PMDB, do PSDB, do PT. Essa majestosa preferência só poderia indicar uma coisa: boicote total a Lava Jato. O que mais espanta é que alguém tenha uma ideia dessas em público.

 

Enquanto essas tramas aconteciam, adeptos de Lula, forças políticas e sindicais, promoveram atos de terrorismo em Brasília. Foram a Esplanada para assustar, destruindo e semeando pânico. Aquela velha ameaça de “chamar o exército do Stedile”, ou a surrada afirmação “pegaremos em armas”, foram ensaiadas com o objetivo único de assustar, usando um bando de arruaceiros.

Exigiam a queda do vice de Dilma. Eleito por quem? Por eles mesmos.

Marcharam em direção ao Congresso dispostos a destruir tudo o que pudessem. Um quebra-quebra disfarçado de protesto. Incendiaram, entre outros, o Ministério da Educação, o mesmo que adoram fingir que defendem. Quiseram demonstrar uma força que não possuem. Temer acionou as Forças Armadas. Com as críticas da extrema esquerda, amarelou. Foi um erro.

Outro sintoma preocupante foram as declarações de Gilmar Mendes, terça feira, defendendo que o STF deveria rever a decisão de decretar prisão após sentença em segundo grau.

 

A decisão do Supremo, de que seria possível a prisão de réus condenados após a decisão condenatória em segundo grau, ou seja, sem esgotar todos os recursos, foi tomada em fevereiro do ano passado e festejada pela população de bem.  Mas a aprovação causou preocupação a réus que contavam com a impunidade pela via da prescrição, graças aos incontáveis recursos possíveis na legislação brasileira.

 

Em outubro, os ministros voltaram a discutir o tema e após grande expectativa, um placar 6 a 5 confirmou a decisão anterior, mesmo com a mudança de voto de Dias Toffoli.

 

Uma mudança no voto de Gilmar Mendes, agora, mudaria o quadro. Afinal, por que justamente agora, discutir o mesmo tema pela terceira vez, ministro Gilmar Mendes?

 

Tem gente influente queimando todas as fichas para não pegar cadeia.

 

 

 

Anúncios

A MAIOR LÁUREA

19 de julho de 2016

13669537_1403317376361939_2779692844585355890_o

 

Em 2010, em  Santa Catarina, Lula bradou em um comício: “Precisamos extirpar o DEM da política brasileira”.

 

Esta talvez tenha sido a maior láurea de um partido de oposição. Ser capaz de despertar o ódio de Lula.

 

Num episódio pouco lembrado, na CPI dos Correios Duda Mendonça prestou um depoimento admitindo ter recebido pagamentos no exterior por serviços prestados na campanha de Lula. Ante a ilegalidade, esteve por ser encaminhado um pedido de impeachment contra ele.

 

Sentindo a própria vulnerabilidade, Lula mandou que asseclas procurassem  o PSDB para pedir que não entrassem com o pedido. “Em nome da democracia”, “da governabilidade”, e “das instituições”, diziam, seria muito arriscado naquele momento a tramitação de tal pedido.

 

Em troca, Lula, comprometia não concorrer à reeleição. Roberto Jeferson já havia revelado Marcos Valério e o mensalão. Dirceu estava acuado.    

 

O DEM foi inicialmente contrário a atender o pedido. FHC e Serra, entre outras lideranças, conseguiram que o Democratas concordasse em desistir do pedido de impeachment.   

 

Mas Lula conseguiu o que parecia impossível. Recuperou sua popularidade, descumpriu o acordo seguiu em frente  e reelegeu-se.  Elegeu um poste como sucessora e arrasou o país, conforme o petrolão e a Lava Jato demonstraram.  

 

 Na última quinta-feira, o democrata Rodrigo Maia, foi escolhido para suceder Eduardo Cunha no comando da Câmara. Algumas pessoas inicialmente manifestaram estranheza e levantavam hipótese estapafúrdias de “acordão” pelo fato de as esquerdas terem optado por votar em Maia no segundo turno da eleição para presidente da Câmara.

 

Não houve nem há como ter havido “acordão”. O que houve foi a avaliação petista que no outro nome, com ligações com Eduardo Cunha, o PT não teria como votar. E, embora da oposição, o tom moderado de Maia foi considerado palatável ao PT.  

 

O fato é que a legenda, que passou maus bocados durante a dinastia petista no poder, com o governo fazendo tudo o que era possível para tentar exterminar a sigla, sobreviveu. E agora, com a chancela do Legislativo, o DEM está de volta ao centro do poder.

 

Embora o partido tenha comido o pão que o diabo amassou durante os treze anos de dinastia petista, é também graças a uma postura permanente como oposição, que a legenda está revigorada.

 

Nada como um dia depois do outro. 

Enio Meneghetti

 

CANALHICE PETRALHA!

19 de fevereiro de 2016

N.A.: Como era óbvio, tinha de ter o dedo do PT – Franklin Martins – por atrás do caso “amante do FHC”. Estou nem aí para o FHC.

Baranga por baranga, Lula comia a Rosemery Noronha…

O que desejamos é ver os CORRUPTOS NA CADEIA.

O resto, é baixaria petralha.

‪#‎ProcessaEuLula‬

 
Só mesmo a canalhice pode explicar o patrocínio e a exultação petralha com o uso de um expediente chinelão como o que foi usado por Fernando Collor para abater Lula em 1989.

A lição valeu muito. Eles hoje são até aliados!

O que Collor fez em 1989 é a mesma coisa que os petralhas fazem agora com FHC, para tirar Lula e o PT do foco das manchetes políticas e policiais.

Que chinelagem. 

Uma bagaceirice sem igual. Inominável.

FHC que entenda-se com sua consciência, se agiu mal em algum momento.

Mas o que está em jogo nas atuais investigações criminais é muito mais grave.

OS PETRALHAS NÃO CONSEGUIRÃO MANIPULAR AS MANCHETES.

OS CRIMES COMETIDOS POR ELES NÃO TEM TERMO DE COMPARAÇÃO COM NADA MAIS QUE  ESTEJA ACONTECENDO NO BRASIL NESTE MOMENTO. 

A cambada que apoia Lula só trouxe à tona as inconfidências amorosas de FHC para tetar salvar Lula. Desespero.

Não, Lula não escapará tão facilmente assim.

 

#ProcessaEuLula

Enio Meneghetti

 

 

DE: O Antagonista:

“Acusado de utilizar a empresa Brasif Exportação e Importação para enviar ao exterior dinheiro destinado à ex-amante Mirian Dutra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso declarou não ter condições de se manifestar. Vai aguardar pelo pronunciamento da própria Brasif.

Eis o que afirmou FHC em nota oficial: “Desconheço detalhes da vida profissional de Miran Dutra. Com referência à empresa citada no noticiário de hoje, trata-se de um contrato feito há mais de 13 anos, sobre o qual não tenho condições de me manifestar enquanto a referida empresa não fizer os esclarecimentos que considerar necessários.”

Foi a própria Mirian Dutra quem informou, em conversa com a repórter Mônica Bergamo, que a Brasif socorreu FHC. Segundo ela, as transferências foram feitas por meio de um contrato fictício de trabalho. Assinado em dezembro de 2002, vigorou até dezembro de 2006 (veja reprodução abaixo).

No papel, a jornalista deveria prestar “serviços de acompanhamento e análise do mercado de vendas a varejo a viajantes.” Realizaria também pesquisas “tanto em lojas convencionais como em duty free shops e tax free shops” em países da Europa.

Reprodução

Mirian, que é jornalista e mantinha também um contrato com a TV Globo, disse que “jamais” realizou as tarefas previstas no documento da Brasif. A despeito disso, recebia US$ 3.000 por mês. Nessa versão, o dinheiro destinava-se a suplementar sua renda e de seu filho, Tomás Dutra Schmidt. “Eu trabalhava na TV Globo e tive um corte de 40% no salário em 2002. Me pagavam US$ 4.000. Eu estava superendividada, vivia de cartões de crédito e fazendo empréstimo no banco. Me arrumaram esse contrato para pagar o restante”, disse Mirian.

Ouvido, o dono da Brasif, Jonas Barcellos, não negou o acerto. Mas alegou não se lembrar de detalhes. “Tem alguma coisa, mesmo, sim”, afirmou, quando questionado sobre o contrato firmado com Mirian Dutra para ajudar FHC. “Eu só não sei se era contrato. […] Vou fazer um levantamento na empresa para esclarecer tudo.” Tratou do tema com FHC? “Faz muito tempo, eu preciso pesquisar e me lembrar para responder.”

Em sua nota, FHC comenta os dois testes de DNA que descartaram a hipótese de ele ser o pai biológico do filho de Mirian, Tomás. “Para nossa surpresa, o primeiro teste deu negativo, daí o segundo, que também comprovou que não sou pai biológico de Tomás. Sempre me dispus a fazer qualquer outro teste que os interessados julgassem conveniente.”

FHC reiterou no texto que, “a despeito” do resultado negativo dos testes de paternidade, procurou manter “as mesmas relações afetivas e materiais com o Tomás.” Continuou sustentando seus estudos. Confirmou ter doado ao rapaz um apartamento em Barcelona.

O dinheiro veio “de rendas legítimas de meu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas ao IR, mantidas no Banco do Brasil em NY/ Miami ou no Novo Banco, Madri, quando não em bancos no Brasil”, anotou FHC. Quanto à verba usada na compra do apartamento, foi trasnferida de sua conta no Bradesco, “com o conhecimento do Banco Central.”

Vai abaixo a íntegra da nota de FHC:

Com relação ao noticiário de hoje, faço os seguintes esclarecimentos:

Os dois testes de DNA para reconhecimento de paternidade que foram feitos nos Estados Unidos tinham o propósito de dar continuidade a meu desejo de fundamentar declarações feitas por mim em Madri de que Tomás Dutra Schmidt seria meu filho (Ele, então, morava em Washington). Para nossa surpresa, o primeiro teste deu negativo, daí o segundo, que também comprovou que não sou pai biológico de Tomás. Sempre me dispus a fazer qualquer outro teste que os interessados julgassem conveniente.

A despeito disso, procurei manter as mesmas relações afetivas e materiais com o Tomás. Daí que tivesse continuado a pagar sua matrícula e sustento em prestigiada universidade americana. Da mesma forma, doei mais recentemente um apartamento a ele em Barcelona, bem como alguns recursos para fazer os estudos de mestrado e, quando possível, atendo-o nas necessidades afetivas.

Os recursos para tanto provieram de rendas legítimas de meu trabalho, depositadas em contas legais e declaradas ao IR, mantidas no Banco do Brasil em NY/ Miami ou no Novo Banco, Madri, quando não em bancos no Brasil.

A doação para a compra do imóvel foi feita por intermédio de transferências de recursos meus no Bradesco com o conhecimento do Banco Central. Nenhuma outra empresa, salvos as bancárias já referidas, foi utilizada por mim para fazer esses pagamentos.

Desconheço detalhes da vida profissional de Miran Dutra. Com referência à empresa citada no noticiário de hoje, trata-se de um contrato feito há mais de 13 anos, sobre o qual não tenho condições de me manifestar enquanto a referida empresa não fizer os esclarecimentos que considerar necessários.

Questões de natureza íntima, minhas ou de quem sejam, devem se manter no âmbito privado a que pertencem.

DILMA PRETENDE PACTO COM PSDB

6 de março de 2015

foto-monica-twitter_400x400

Por favor, não façam isso!

De acordo com a colunista da Folha de SP, Mônica Bergamo, o Planalto pretende contar com o PSDB para safar-se da perigosa crise que enfrenta.

Sua coluna de hoje, 06 de março, tem como o título:

Crise pode obrigar Dilma a buscar um pacto político incluindo nele o PSDB

Mônica  Bergamo, que é tida como “amiga” de Dilma Roussef, publica que dois dos pretensos interlocutores do “pacto nacional”, que incluiria o PSDB, serial FHC e José Serra.

Por favor, não!

Segundo Bergamo, a medida já é discutida entre os petistas de alto coturno.

Leia o que ela publicou:

“A rápida deterioração do quadro político e o agravamento da crise econômica podem obrigar Dilma Rousseff a buscar um pacto político no país, esforçando-se para incluir nele o PSDB. A ideia já é discutida entre dirigentes e ex-ministros do PT.

Empurrão

O empurrão viria de setores empresariais e financeiros com pânico da recessão (só o setor de máquinas e equipamentos prevê demitir 30 mil neste ano). E também de lideranças políticas atingidas pelo aprofundamento da crise. Nesta semana, milhares de professores em greve saíram às ruas no Paraná para protestar contra o governador tucano Beto Richa, por exemplo.

Empurrão 2

A possibilidade de rodízio de água em SP também coloca o governo do tucano Geraldo Alckmin em alerta, pelo potencial de turbulência social que a medida pode gerar.

Empurrão 3

Além de governadores do PSDB, também José Serra (PSDB-SP) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso são vistos como possíveis interlocutores de um diálogo emergencial para que o caldo não entorne de uma vez.

Água fria

A exclusão do senador Aécio Neves (PSDB-MG) da lista de envolvidos no escândalo da Operação Lava Jato frustrou boa parte do governo e do PT. O procurador-geral, Rodrigo Janot, que fechou o documento, não guardou segredo quanto ao fato de o tucano estar citado em delações premiadas. Isso foi entendido como um sinal de que ele não pouparia o tucano.

Água fria 2

Janot já está sendo comparado ao ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal). O magistrado foi indicado à corte graças à expectativa de que inocentaria os réus do mensalão. E fez justamente o contrário.”

 

Bem, tudo indica que o desespero bateu às portas do governo. A publicação tem todos os sintomas de nota plantada como balão de ensaio. Daí a importância de que receba o repúdio dos milhões de brasileiros que estão fartos do atual governo.

A nota Empurrão que sugere o caos econômico da recessão tem toda cara da chantagem pelo pavor.

Por favor, não traiam os milhões de eleitores que votaram em Aécio Neves em 2014.

Repudio total à absurda ideia desse legítimo abraço de afogado!

Os governos petistas tem de arcar com seus erros, Quem é oposição deve, em respeito ao povo e a democracia, exercer o papel de oposição!

Todos às ruas nas manifestações do dia 15 de março!

sarney-lula-dilma-fhc-collor

http://www.eniomeneghetti.com