Posts Tagged ‘enio meneghetti’

APESAR DO PODER DESSA GENTE!

21 de junho de 2016

GetAttachment

 

As audiências na Comissão Especial do Impeachment no Senado, infelizmente, tem sido uma chatice sem fim.

 

Tal e qual a estratégia mais básica dos porta-de-cadeia mais chinfrins, a atuação do trio parada dura –  Lindbergh (vá pesquisar sobre a administração dele na prefeitura de Nova Iguaçu…) Farias, Gleisi Hoffmann e Vanessa Grazziotin –  além do canastrão José Eduardo (caras e bocas) Cardoso, sonham apenas com a remota hipótese de arrastar o processo indefensável até os 180 dias de tramitação para salvar Dilma do desfecho inevitável com a prescrição.

 

Salvam-se raras participações, entre as quais destacaríamos Magno Malta e Ronaldo Caiado, não necessariamente nesta ordem.

 

Absolutamente detonada publicamente, reconhecida nacionalmente por suas grosserias, pela incompetência, confusão mental e truculência, Dilma já era. Sem nem entrar no mérito de tudo o que a Lava Jato já desnudou – até agora – acerca de seu governo.

 

Pena que a Lava Jato seja uma exceção. Bom seria existirem Lava Jatos sendo apuradas em todas as varas criminais do país.

 

Não trata-se da defesa de um Estado Policial e sim do tratamento quimioterápico que merece um país gravemente enfermo, desde o administrador público suspeito até o empresário corruptor, passando pelo cidadão que frauda o seguro do carro. Sim, há corruptos no dia-a-dia também.

 

Por isso devemos defender com unhas e dentes a prisão para condenações já na segunda instância, cuja validade alguns já ensaiam tentar alterar. Só quem pode garantir que esta conquista permaneça é a vigilância da opinião pública. Lembremo-nos sempre: o que inibe a criminalidade é a certeza da punição. E nesta máxima, a prisão após o trânsito em julgado na segunda instância deve ser tratada como pedra de toque.

 

Mas enfim, a conquista dos defensores de Dilma da realização de perícia nas pedaladas, é uma mais do que óbvia tentativa, dentre outras que virão, de atrasar o processo contra ela, ora em tramitação na Comissão Especial do Impeachment.

 

A sociedade tem de continuar atenta. Temos de tirar partido da instantaneidade da informação, alertando via redes sociais contra toda e qualquer tentativa de “melar” o andamento, tanto do processo de Dilma, quanto daqueles contra as operações em andamento, seja Zelotes e Lava Jato ou medidas “amigas” vindas das instâncias superiores, até do STF. Temos que viralizar, divulgar, criticar, protestar por escrito e/ou em manifestações organizadas qualquer ação no sentido de atrapalhar a punição de culpados. Literalmente, botar a boca no trombone.

 

O que realmente poderá colocar o Brasil no mapa mundi dos países influentes no cenário internacional será a lavagem da roupa suja que a Lava Jato tem nos proporcionado, com o perdão do trocadilho.

 

O vexame dos desaranjos, malfeitos e mentiras ocorridos durante a dinastia petista de Lula e Dilma só será apagado se o Brasil provar ao mundo que sabe resolver seus problemas, corrigir seus rumos, castigando culpados na forma da lei e sepultando a pecha de país da impunidade e da corrupção.

 

Chegaremos lá, apesar do poder dessa gente.

Enio Meneghetti

publicado no “Correio de Cachoeirinha”, edição de 21.06.2016

 

Crime Impossível

26 de abril de 2013

O texto a seguir, de minha autoria, foi publicado na página 15 do jornal Zero Hora de 26/04/2013.

Trata de um assunto polêmico de nossa História recente, extremamente romantizado e mal contado.

Uma pequena amostra do que pode ser melhor esclarecido está resumido abaixo.

img-130426123038-0001

O peso do sobrenome…

27 de setembro de 2012

Outro dia li uma reportagem retratando candidatos filhos ou netos de políticos ilustres nesta eleição. O texto não retratava meu nome.

Embora tenha muito orgulho e conhecimento acerca da trajetória de meu avô – que permanece sendo o único a ser eleito por duas vezes em eleições livres e diretas nosso governador – evito utilizar foto-montagens dele comigo, embora tenhamos tido uma boa e longa convivência.

Tinha eu 23 anos de idade quando de seu falecimento. Faz parte de minha trajetória pessoal inclusive ter escrito sua biografia, “Baile de Cobras”.

Tenho procurado ser sutil em relação ao uso do nome de meu avô. Evito abusar da boa fé dos eleitores pedindo votos por apenas ter nascido neto do Ildo Meneghetti. Em meus materiais, conforme se poderá constatar abaixo, procuro mostrar minha própria trajetória e as razões que me levam a postular uma vaga na Câmara de Vereadores.

E, é claro, faz parte de meu histórico o fato de ter escrito esse livro, no qual procuro trazer à luz fatos históricos desconhecidos de muita gente.

Afora isso, dedico-me a demonstrar o que penso ser possível para melhorar nossa Porto Alegre.

É só por essa razão – respeito ao eleitor – é que não se vêem nos canteiros das avenidas fotos-montagens minhas com meu avô nem alusões à minha ascendência no horário eleitoral da televisão.

FOLDER DE CAMPANHA (clique na imagem para ver o arquivo em tamanho original):