Posts Tagged ‘Michel Temer’

A HORA DO DESESPERO

30 de maio de 2017

 

 

Embora ele tenha dado entrevistas negando a possibilidade de concorrer a um mandato tampão, ainda tem gente querendo emplacar Nelson Jobim.

 

Jobim é atualmente banqueiro, sócio de André Esteves no Banco BTG Pactual. O mesmo Esteves que foi preso preventivamente, juntamente com Delcídio Amaral,  como suspeito de envolvimento no caso da compra do silêncio de Nestor Cerveró.

 

Claro que Jobim não tem nada com isso, mas foi bastante comentado – certamente pura fofoca  – que “embargos auriculares” teriam sido promovidos por Jobim para o relaxamento da prisão preventiva de Esteves.

 

Jobim foi deputado constituinte. Admitiu publicamente ter enxertado na atual Constituição Federal artigos que não foram votados. Teria sido uma manobra combinada com Ulisses Guimarães, segundo ele.

 

Ele também protagonizou em seu escritório o famoso encontro entre Lula e Gilmar Mendes, quando Lula “intimou” Gilmar a aliviar no julgamento do Mensalão. A tentativa desajeitada rendeu um enorme bafafá, na ocasião.

 

Ministro da Justiça, ministro e presidente do STF, ministro da Defesa, em cuja gestão fantasiou-se para tirar foto com farda camuflada em uma incursão na Amazônia, Nelson Jobim é o nome preferido por Fernando Henrique Cardoso, por Lula e, ao que se sabe, até por Michel Temer.

 

Obteria os votos do PMDB, do PSDB, do PT. Essa majestosa preferência só poderia indicar uma coisa: boicote total a Lava Jato. O que mais espanta é que alguém tenha uma ideia dessas em público.

 

Enquanto essas tramas aconteciam, adeptos de Lula, forças políticas e sindicais, promoveram atos de terrorismo em Brasília. Foram a Esplanada para assustar, destruindo e semeando pânico. Aquela velha ameaça de “chamar o exército do Stedile”, ou a surrada afirmação “pegaremos em armas”, foram ensaiadas com o objetivo único de assustar, usando um bando de arruaceiros.

Exigiam a queda do vice de Dilma. Eleito por quem? Por eles mesmos.

Marcharam em direção ao Congresso dispostos a destruir tudo o que pudessem. Um quebra-quebra disfarçado de protesto. Incendiaram, entre outros, o Ministério da Educação, o mesmo que adoram fingir que defendem. Quiseram demonstrar uma força que não possuem. Temer acionou as Forças Armadas. Com as críticas da extrema esquerda, amarelou. Foi um erro.

Outro sintoma preocupante foram as declarações de Gilmar Mendes, terça feira, defendendo que o STF deveria rever a decisão de decretar prisão após sentença em segundo grau.

 

A decisão do Supremo, de que seria possível a prisão de réus condenados após a decisão condenatória em segundo grau, ou seja, sem esgotar todos os recursos, foi tomada em fevereiro do ano passado e festejada pela população de bem.  Mas a aprovação causou preocupação a réus que contavam com a impunidade pela via da prescrição, graças aos incontáveis recursos possíveis na legislação brasileira.

 

Em outubro, os ministros voltaram a discutir o tema e após grande expectativa, um placar 6 a 5 confirmou a decisão anterior, mesmo com a mudança de voto de Dias Toffoli.

 

Uma mudança no voto de Gilmar Mendes, agora, mudaria o quadro. Afinal, por que justamente agora, discutir o mesmo tema pela terceira vez, ministro Gilmar Mendes?

 

Tem gente influente queimando todas as fichas para não pegar cadeia.

 

 

 

Anúncios

PT financia PMDB?

22 de julho de 2014

Sabe aquele deputado do PMDB que você conhece?

Talvez ele seja agraciado com uma ajudinha financeira do PT para sua campanha…

É a possibilidade revelada pela nota na coluna RADAR, em Veja desta semana, que conta porque o vice da Dilma, Michel Temer, reassumiu a presidência do PMDB.

Ele quer gerir um “caixinha” de R$ 40 milhões (!!!) que Renan Calheiros conseguiu com o presidente do PT, Rui Falcão.

Temer quer “dividir parte deste butim com os deputados do partido (PMDB) candidatos à reeleição”.

Essa é a razão porque é importante NÃO VOTAR NOS PARTIDOS DA BASE ALIADA.

‪#‎nãovotenabasealiada‬PT PMDB

Página 46 – VEJA – 23/07/2014

http://www.eniomeneghetti.com

Jogo de Cena

14 de março de 2014

 

Enquanto a cúpula do cúpula do PMDB ligada a Michel Temer fecha com a presidente Dilma, desautorizam publicamente o aparentemente rebelde líder na Câmara, Eduardo Cunha. A cacicagem peemedebista, sempre ávida por mais cargos, diz que há insatisfação, mas nega que o clima seja de ruptura. A radicalização de Eduardo Cunha obviamente atrapalha os planos de quem está sempre de olho na ampliação de espaço e poder.

Enquanto isso, a Câmara ameaça votar o requerimento do DEM e do PPS para a criação da CPI para investigar as denúncias contra a Petrobras.

 

Motivos e assunto não faltariam em uma “CPI da Petrobrás”: o endividamento, o uso político da estatal, os critérios usados para as verbas de patrocínio, o dinheiro jogado fora na compra da usina sucateada em Pasadena e muito mais.

 

Mas que ninguém se iluda. Michel Temer já firmou com Dilma Rousseff o compromisso de que a CPI não sai, porque o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, não vai deixar. E sem os votos da base alugada, digo, Base Aliada, as chances de emplacar qualquer CPI ou outros instrumentos de fiscalização do governo, são próximas de zero. Afinal, nem mesmo o suspeitíssimo “sigilo” em relação aos investimentos em Cuba e África se consegue transpor.

Sofrendo com alto endividamento e defasagem dos preços dos combustíveis no mercado interno, além das dificuldades para aumentar sua produção, apesar dos gastos elevadíssimos com contratação e aluguel de plataformas de exploração, a Petrobras tem uma necessidade de captação bruta de US$ 12,1 bilhões por ano – principalmente para financiar suas dívidas em crescimento. O mercado já percebeu que a dívida deve crescer.

E enquanto a Petrobras se endivida, como se constata, a empresa entra no meio das barganhas políticas entre o governo petista e sua nefasta Base Aliada.

 

Com “estadistas” desse nível, barrando toda e qualquer iniciativa que pudesse levar alguma dose de transparência a nosso combalido país, dá para entender porque às vezes parece não haver oposição. Com as motivações mesquinhas que movem a tal Base Aliada, é triste prever o que o futuro próximo nos reserva.

 

Enio Meneghetti

www.eniomeneghetti.com