Posts Tagged ‘renúncia’

O PALHAÇO TIRIRICA

12 de dezembro de 2017

Falar na Tribuna e dar satisfações do que faz em seu mandato é obrigação de qualquer parlamentar.

Tiririca levou dois mandatos para descobrir que não tinha nada para fazer como deputado. Em suas próprias palavras, pela “primeira e última vez” ele subiu na Tribuna da Câmara Federal para fazer um pronunciamento na semana que passou.

Tiririca pedia votos dizendo: “O que é que faz um deputado federal? Na realidade, eu não sei. Mas vote em mim, que eu te conto.”

Porém, no único pronunciamento que fez, ele já descumpriu a promessa.

“Jamais vou falar mal de vocês em qualquer canto que eu chegar. E não vou falar tudo o que eu vi, tudo o que eu vivi aqui. Mas eu seria hipócrita se eu saísse daqui e não falasse realmente que tô decepcionado com a política brasileira, com muitos de vocês.”

Tiririca foi o deputado mais votado do país em 2010. Fez 1,3 milhão de votos. Com essa votação, arrastou uma penca de deputados nas costas para a Câmara Federal.

Em 2014 foi reeleito com uma votação um pouco menor. O bordão era: “Vote em Tiririca. Pior do que tá, não fica.”

O anuncio de que não concorreria mais foi confundido com “renúncia”. Correu o boato que seu suplente era José Genoíno. Duplo erro: primeiro, ele não renunciará. Ficará ocupando o mandato até o fim. Não se sabe fazendo o quê. Mas seguirá recebendo salário, mantendo equipe de assessores muito bem pagos, gerando despesas de gabinete, viagens, etc. O suplente não assume.  Segundo erro: José Genoíno não é seu suplente. Mas já foi.

Em 2010 Tiririca teve  a elegibilidade questionada por supostamente ser analfabeto. Se tivesse sido considerado inelegível, seria cassado e José Genoíno era o suplente. O PR de Tiririca era coligado com PT, PRB, PC do B e PT do B nas eleições à Câmara. Porém, na eleição seguinte, 2014, Genoíno já era ficha suja e não pode concorrer.  Logo, não é mais o suplente.

Tiririca foi garimpado por Valdemar da Costa Neto, presidente do PR.  Valdemar esteve preso, condenado no escândalo do mensalão. Sozinho, com a montanha de votos que recebeu, Tiririca aumentou a bancada do PR, engordando a verba do Fundo Partidário, movimentada pelo presidente, Valdemar da Costa Neto. Que belo legado para quem se diz decepcionado com a política.

Este é o tipo de voto de protesto tolo, que nos afunda na situação em que estamos hoje. 

A parte tosca de nossa imprensa fez festa com a notícia da “renúncia” que não é renúncia  como se fosse um ato glorioso do parlamentar. São os “deformadores” de opinião de sempre.

Para piorar, Tiririca disse que Lula “foi o melhor presidente que o Brasil já teve”. Afirmou em entrevistas que Lula, com nove processos criminais nas costas e já condenado em primeira instância a 9 anos e meio, se concorrer, terá seu voto.

Tiririca, vá para casa. Fique quieto. Senão, você ficará ainda pior do que já está.

Anúncios

CUIDADO! ELA DEVERÁ TENTAR RENÚNCIA!

26 de julho de 2016

 

13719543_1408945085799168_7841949091112574205_o

 

João Santana e Mônica Moura admitiram em juízo terem recebido depósitos no valor de US$ 4,5 milhões feitos pelo lobista Zwi Skornicki na Suíça, relativos à quitação de dívidas de campanha de Dilma.  A presidente afastada provisoriamente afirmou que “não sabia”.

 

 

Para justificar o fato de só agora terem feito tal revelação, João Santana foi claro: “Eu achava que isso poderia prejudicar a presidente. Ajudei sua eleição, não a queria destruir.” Mônica Moura seguiu na mesma toada: “Eu não quis incriminá-la, não queria piorar sua situação”.

 

Mônica explicou que eram credores de R$ 10 milhões referentes à campanha de 2010, e que foi instruída pelo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto a procurar o empresário Zwi Skornicki. Por sua vez, ele confirmou a versão de Mônica: “Ela chegou e disse: ‘vim a mando de Vaccari para acertar o pagamento.’ Zwi explicou que mantinha com Vaccari uma conta para repassar propina de contratos da Keppel Fels com a Petrobras e Sete Brasil. Que o dinheiro da propina do contrato da P-56 foi depositado como doações legais ao partido. Confirmou tudo o que já era sabido.

 

A única saída que resta a Dilma Rousseff, que já anda reclamando da “agonia do impeachment”, será RENUNCIAR antes da votação do processo de impeachment pelo Senado.

 

É a manobra óbvia. Selado o impeachment, sua situação – e “agonia” – ficaria muito pior. A única forma que  lhe resta para amenizar o tsunami de processos que enfrentará será tentar manter os direitos políticos, que perde imediatamente em caso de impeachment. 

 

Depois poderia tentar uma absurda candidatura no RS, onde não faltarão cabeças dispostas a apoiá-la. E assim tentar manter os processos sob seu controle.

 

Afinal, se ela considera que o atual momento lhe é desagradável, imagine-se sem emprego, sem a renda de ex presidente – que, impichada, perderia – sem mais contar com equipe de serviçais que o estado garante a ex presidentes. A única maneira de tentar salvar-se dos processos que lhe aguardam no Brasil e no exterior é uma renúncia, com vistas a concorrer em 2018.

 

Do contrário, ela não terá como enfrentar os processos relativos a crimes relacionados à má gestão na Petrobras, como a compra desastrosa da refinaria de Pasadena, aos tempos em que era Presidente do Conselho de Administração da estatal.

 

O comentário de que está “cansada da agonia”, não tem outra aparência do que preparo da justificativa para um ato de renúncia.

 

Que, espera-se, receba o repúdio da população brasileira, farta de chicanas legais.

 

Um rotundo NÃO à renúncia.

 

Enio Meneghetti

 

Dilma ladeira abaixo!

18 de março de 2015

grafico

Pesquisa Datafolha mostra que 62% avaliam o governo Dilma como ruim ou péssimo.

Pois e não é que, dentro das circunstâncias, ela até que se saiu bem?

Os números certamente cairão mais. A divulgação da sucessão de escândalos deve aumentar muito. As notícias negativas serão cada vez mais divulgadas, à medida que a mídia patrocinada não terá como deixar de adequar a linha editorial ao clamor das ruas, em que pese o maciço investimento governamental em propaganda.  Afinal, o que é aquele comercial da Petrobrás, exibido já há mais de trinta dias em horário nobre, elencando virtudes que foram amputadas da maior estatal do país?

Os números do Datafolha podem deixar dúvidas, já que a avaliação do público contabilizado pelo instituto como presente no ato ocorrido em São Paulo, tenha sido flagrantemente inferior à avaliação da Polícia Militar daquele estado.

Sem falar no que as imagens evento evento mostraram: o maior público jamais visto em manifestações naquele local.

De qualquer modo, desde os momentos finais do governo Collor, não se via uma taxa de reprovação tão elevada de um presidente.

Os números de rejeição de Dilma devem subir.

A próxima manifestação, marcada para o domingo de 12 de abril deverá ter um público ainda maior.

Isso dever-se-á ao sucesso da manifestação de 15 de março e  ao fim do temor, que afastou muitas pessoas do evento do último domingo. Esse temor foi deliberadamente explorado pelos MAVs (Militância em Ambiente Virtual) a serviço do governo, para desestimula a participação popular.

A partir das ações dos MAVs, até uma imaginária possível presença de black blocks foi aventada. Além da possibilidade de quebra-quebra e depredações. Até instruções de como agir – sentar-se e tocar apitos) foi divulgada como precaução.

É claro que uma expectativa como essa afastou muitas pessoas.

http://www.eniomeneghetti.com