Posts Tagged ‘ministro da Fazenda’

BOLSONARO QUER PAULO GUEDES  

5 de dezembro de 2017

 

Na última segunda feira, em seminário da revista Veja, Jair Bolsonaro surpreendeu ao antecipar que, se for eleito no ano que vem, seu provável ministro da Fazenda poderá ser o economista Paulo Guedes.

Registre-se que Bolsonaro tem tido a humildade de admitir não entender de economia.  Demonstra uma qualidade importante a quem queira ter sucesso na Administração Pública: reconhecer a obviedade de que é impossível saber sobre tudo, e por isso mesmo, a capacidade de saber assessorar –se é fundamental.

O economista Paulo Guedes é professor de macroeconomia da PUC e da FGV no Rio. Tem PhD pela Universidade de Chicago. Reconhecido como liberal e crítico da social democracia.

O blog do jornalista José Fucs, no Estadão, pinçou pensamentos de Paulo Guedes, alguns dos quais destacamos:

“A morte da velha política em 2017, sob a guilhotina da Lava-Jato, é o nosso mais importante episódio de aperfeiçoamento institucional desde a redemocratização e a convocação da Assembleia Constituinte.”

“Os corruptos destroem muito mais do que escolas e hospitais não construídos. Destroem também a crença da população nas instituições das modernas democracias liberais.”

“A classe política não representa mais o povo, e sim seus próprios interesses. E os empresários não criam mais riqueza, apenas dela se apropriam em negociatas com o poder político.”

“A Nova República morreu, porque manteve o Antigo Regime. Não fez a reforma da estrutura de Estado brasileiro.”

“O político que enriqueceu na vida pública e o empresário que tem muito poder político são aberrações de um capitalismo de Estado que degenerou para um capitalismo de quadrilha.”

“A concentração de poder político e recursos financeiros no governo federal, explica muito de nossa degeneração política.”

“O baixo crescimento e a corrupção sistêmica marcaram a transição do capitalismo de Estado do regime militar para um capitalismo de quadrilhas sob a obsoleta e despreparada social-democracia.”

“O Brasil é o paraíso dos rentistas e dos empresários escolhidos e o inferno dos trabalhadores, dos empreendedores e dos empresários que acreditam na economia de mercado.”

“Em 30 anos, a social democracia, dominante desde os anos 1980, não conseguiu fazer o que tinha que ser feito. A esquerda não tem coragem de enfrentar corretamente, tecnicamente, o problema. O que eles fazem? Aumentam os gastos até serem chamados a realidade.”

“A educação é libertadora e transforma vidas. É o maior fator de criação de riqueza.”

Soa como música!

Anúncios

Quanta mentira!

3 de setembro de 2014

Quanta mentira!

Temos ouvido muitas mentiras diariamente.

Uma das mais frequentes é o “pleno emprego”. Viria de “pesquisas” que medem o número de desempregados a partir do número de pessoas procurando trabalho. Parece elementar, mas não é. A criação de novos postos de trabalho vem caindo há muito tempo. Este é o dado relevante. O número de pessoas que desistiram de procurar emprego – este sim definidor da realidade brasileira – é deixado de lado. A redução de empregos formais cai pelo terceiro mês consecutivo no RS.

A economia brasileira já registra dois trimestres seguidos de queda e agora, enquanto tenta inutilmente negar o fato de que já entramos em recessão, vem a pérola suprema: o ministro da Fazenda, Guido Mantega atreve-se a listar entre “os culpados” para os números pífios da economia, ele bota a culpa também na Copa!

Sim, na Copa das Copas!

Lembro da quantidade de desaforos que tive que ouvir quando fui um dos muitos que ousei dizer, na contramão do que diziam a mídia chapa branca e nossas mais altas autoridades, que a realização da Copa no Brasil era – para ser brando – uma irresponsabilidade.

O Brasil jogou dinheiro para cima gastando o que não podia com obras faraônicas a preços infinitos onde se sobressaem aqueles mega estádios – para referir apenas ao mais óbvio dos absurdos – em capitais onde sequer é praticado futebol profissional decente com a desculpa que os turistas trariam milhões em divisas!

No artigo “O Legado da Copa”, de 9 de julho passado, registrei:

“Nosso governador (Tarso Genro) anunciou solenemente que a Copa trouxe R$ 1 bilhão de arrecadação para o Rio Grande (…)… Em entrevista ao UOL Esporte, o presidente do CDL de Porto Alegre, Gustavo Schifino, disse que apesar do bom fluxo de pessoas, os gastos dos turistas ficaram restritos a alimentação e hospedagem e a Copa pode dar prejuízo no RS: “Estamos abaixo da previsão. Inicialmente a ideia era ficar entre R$ 95 milhões e R$ 101 milhões em volume de vendas.” A estimativa do CDL Rio é de que as perdas cheguem a R$ 1,9 bilhão. (…)os comerciantes da região central de Campinas, em São Paulo, não têm motivos para comemorar nos dias das partidas. Em dias de jogo do Brasil, eles chegar a registrar queda de 80% nas vendas, principalmente nos segmentos bares e restaurantes. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Campinas e região (Sindivarejista), todos os setores sentem os reflexos dos jogos do Brasil. De acordo com o órgão, são quatro horas sem vender por partida.”

Elementar. Agora vem o seu Mantega, com a maior cara de pau, dizer tardiamente que a copa pode não ter sido tudo aquilo que eles exageravam em dizer que era. A culpa é da copa? O ministro afirmou que o baixo crescimento do PIB deveu-se pela “menor quantidade de dias úteis na primeira metade do ano, devido à realização da Copa do Mundo”. Isso, nos números negativos sempre atrofiados do ministro, “teve impacto negativo de 0,2 a 0,3 ponto percentual no resultado total do PIB no segundo trimestre”. E ele diz isso depois de dona Dilma encher a boca para falar, em junho passado, entre tantas outras bravatas, que “quem é contra a Copa é pessimista”. Parece piada!

Bem, se fosse eu a adjetivá-la e a seu ministro da Fazenda, poderia usar uma expressão bem mais forte.

http://www.eniomeneghetti.com