“O Brasil precisa de um partido de centro-direita” – Em entrevista ao site de VEJA, gaúcho Onyx Lorenzoni defende o fortalecimento do DEM e ataca negociações para fusão com o PTB. Sobre a presidente, é claro: ‘No momento em que a Elba aparecer, o impeachment vem’

Entrevista de Onyx lorenzoni ao site de VEJA – Por: Gabriel Castro, de Brasília18/04/2015

onyx veja

Deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS): voz pela reafirmação do partido(Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)

Ao lado do senador Ronaldo Caiado, o deputado federal Onyx Lorenzoni é a principal voz do DEM contra os planos de fusão do partido com o PTB. O parlamentar gaúcho, que está no quarto mandato na Câmara, defende que a sigla adote bandeiras mais claras de centro-direita e discuta uma fusão com partidos menores para criar um grande partido oposicionista depois das eleições de 2016. Já a união com o PTB é inadmissível, diz ele, por causa das divergências ideológicase políticas. Em entrevista ao site de VEJA, o deputado critica a direção do partido por seu pragmatismo “às raias do absurdo” e afirma que os políticos brasileiros ainda estão com a cabeça no século passado.

Por que, na visão do senhor, a fusão do DEM com o PTB é inaceitável? Primeiro porque o trabalhismo tem um conteúdo doutrinário completamente diferente quer da inspiração inicial do PFL, que era um membro da Internacional Liberal, quer do DEM, que é filiado à Internacional da Democracia de Centro. Nossos similares são o PP espanhol, a CDU alemã e o Partido Conservador britânico. Os partidos trabalhistas do mundo todo estão ligados à Internacional Socialista, porque de uma certa forma o trabalhismo é uma variante do socialismo. A gente não pode misturar coisas tão diversas. A própria bancada do PTB fez um documento dizendo que não quer tratar de fusão agora. Desde que o PT chegou ao poder, o DEM tomou a decisão de ir para a oposição, ao contrário do PTB. Não tem como fazer algo que não é racional, não se sustenta no argumento político dos conteúdos programáticos e doutrinários e ainda passaria à sociedade a mensagem de que o DEM traiu seus eleitores. As pessoas que estão liderando esse movimento estão num pragmatismo político-eleitoral que só se cria no Brasil. Talvez a sociedade brasileira de dez ou vinte anos atrás pudesse aceitar com mais naturalidade essa mistura de – como se diz na minha terra – cavalo com cobra d’água, que é PTB e DEM. Mas hoje em dia, com a sociedade nas ruas desde 2013 exigindo outro tipo de participação política, as pessoas não têm como aceitar. Com o advento das redes sociais, os eleitores são muito mais informados e críticos. Eles querem que você seja coerente, seja leal e que traia o compromisso que assumiu. O cidadão da era digital aceita a representação desde que ela seja coerente, leal a ele e desde que o representante dê razões para que o cidadão se sinta verdadeiramente representado. O que falta hoje no processo político brasileiro é clareza.

O senhor acha que os dirigentes levam isso em consideração? Lamentavelmente, digo que há um pragmatismo às raias do absurdo. E isso é o ontem da política. O Gaspar Silveira Martins, que foi um líder importante no Rio Grande do Sul, cunhou uma frase muito famosa no meu Estado: ideias não são metais que se fundem. Hoje, pelos movimentos populares, talvez seja o melhor momento nos doze anos do DEM, que passou por tantas coisas complicadas. Nós nos desfizemos da capa de fisiológicos, aprendemos a fazer oposição, nos transformamos na oposição mais dura ao petismo, iniciamos a derrota mais dura que Lula sofreu em seus oito anos, que foi o fim da CPMF. Depois enfrentamos aquela maluquice que o Gilberto Kassab fez com a gente em conluio com o Palácio do Planalto e quase nos destruiu no pós-2010. Perdemos dezessete deputados federais. Sobrevivemos a tudo isso e agora era o momento de sermos reconhecidos pela população que se mobilizou. O PSDB é visto por eles como uma oposição ma non troppo, nem tão vigorosa. E toda essa massa de eleitores olha para a gente com imenso respeito e carinho e quer se identificar com a gente. Então, no momento em que nós temos que realçar as nossas características, vamos jogar na lata do lixo toda a credibilidade conquistada a duras penas nesses doze anos para fazer uma incorporação ao PTB que ninguém vai entender? Como a sociedade vai entender uma coisa essa? Nós vamos dar razão para o Lula? E isso vai ser feito pela mão dos nossos principais dirigentes?. É um momento muito doloroso para a gente. Isso causa uma indignação que o senador Ronaldo Caiado, eu e muitos líderes estamos expondo ao abrir esse debate público. Vamos continuar tentando demover o presidente do partido e o prefeito de Salvador de conduzir o partido à destruição.

A ideia da fusão partiu do prefeito ACM Neto? Essa construção passa fundamentalmente pelo comando do ACM Neto e pelo presidente José Agripino, que por alguma razão se convenceu de que esse era um bom caminho. É um pragmatismo que me entristece. Isso passa também pelo ex-prefeito César Maia, porque a origem dele foi o PTB. Mas há uma desconexão muito forte do momento político que nós vivemos no Brasil. Temos a honra de ter mais de 1 milhão de filiados, que o partido herdou do trabalho bonito que o PFL fez. Hoje muita gente fala em democracia, bate no peito mas a democracia deve muito aos líderes que fizeram o PFL. A Frente Liberal foi a travessia segura para sair daquele período de trevas. Se dependesse do PT não haveria nada disso. A presidente Dilma não lutou para fazer uma democracia, ela lutou para ter um regime comunista. É diferente. As pessoas têm um problema conveniente de memória conveniente. Mas eu mantenho minha posição. O petismo para mim é uma doença que fez muito mal ao Brasil e o Brasil precisa ser curado dessa doença para não ser destruído.

Os casos de corrupção do DEM não ajudaram a desgastar a imagem do partido? Não. Vou dizer com toda a franqueza e sinceridade: eu participei dos episódios de expurgo do Arruda (José Roberto, ex-governador do DF) e do Demóstenes (Torres, ex-senador, cassado após a descoberta de seus laços com o contraventor Carlinhos Cachoeira). Diante da sociedade o DEM é o único partido brasileiro que não transigiu com seus corruptos. Ninguém pode impedir que um filho se drogue, que um irmão seja corrupto. O importante é como uma família, uma igreja, um clube ou um partido político lidam com isso. O DEM deu um recado claro: aqui não é lugar de gente assim. Todo mundo protege: “Vamos esperar a investigação, espera lá”. O PT faz festa, faz vaquinha para pagar multa. A gente toma uma decisão. É diferente.

Mas o presidente José Agripino é investigado no STF por corrupção. O presidente está sob observação. Houve um pedido de investigação. E esse episódio tem no mínimo um fato curioso. Há três anos essa denúncia foi feita, a Procuradoria-Geral da República abriu uma investigação e ela foi arquivada por ausência absoluta de qualquer comprovação. A pessoa que denunciou foi num cartório, assinou que nada envolvia o senador. Surpreendentemente, ele, agora envolvido em outras falcatruas, faz uma delação premiada e imputa tudo aquilo que há três anos negou. O senador Agripino, por tudo que a gente conhece é um homem de bem e merece o benefício da dúvida. Nós estamos de acompanhando os desdobramentos atentamente. E achamos que vai acontecer de novo o arquivamento. Mas, evidentemente, se a denúncia for acolhida e for autorizado o processo o senador vai ter de compreender que terá de se afastar da presidência do DEM. Isso é óbvio.

O senhor tem um plano para salvar o partido? Não é plano de salvação. Nós vamos votar uma reforma política teoricamente segundo o planejamento até o final desse semestre. Eu fiz essa proposta na Executiva: que o partido arquivasse qualquer coisa de fusão agora, nós reabríssemos esse debate com o horizonte mais aberto em novembro de 2016, depois da eleição municipal. Aí nós vamos conhecer qual vai ser a nova estruturação dos municípios brasileiros. E então fará sentido tentar, pelo menos no nosso campo político, a organização de um partido de centro-direita com bandeiras claras. Nem nós temos essas bandeiras claras hoje. Alguns de nós temos, mas a instituição do partido não tem e precisa ter.

No plano do senhor, isso passaria por fusões com partidos menores. O DEM teria de ser o núcleo desse novo partido? O DEM seria o eixo doutrinário e programático, justamente por estar na Internacional da Democracia de Centro, para trazer para o Brasil todo esse acúmulo de ideias que deram tão certo na Espanha, na Alemanha e na Inglaterra. A política é um pêndulo, vai para o lado esquerdo, depois volta para o direito ciclicamente. No Brasil e na América Latina, a política, por uma série de razões, foi para o lado esquerdo da década de 1990 para cá. Mas os resultados são muito ruins.Venezuela, Bolívia, Argentina, Brasil… A eleição do ano passado é o ponto onde a volta começa a acontecer. Não havia nenhum candidato de centro-direita no Brasil, competitivo e com programa claro. Havia candidatos de centro para a esquerda. É por isso que eu digo: o Brasil carece de um partido de centro-direita claro e forte que possa reunir princípios que a centro-direita pratica no mundo todo. Eu acredito que um candidato à Presidência nascido daí seria muito competitivo para um cenário em que o Brasil busca outras respostas que a esquerda nem o centro podem dar.

Mas não parecem existir muitos partidos com um perfil adequado a se fundir com o DEM. Qual seria o critério? Teria de haver um fato comum: todos serem partidos de oposição ou que queiram migrar para a oposição. Na minha opinião haveria muitas migrações para o novo partido, mesmo de gente que correria o risco de perder o mandato. Falta ao Brasil reequilibrar as forças políticas. Por exemplo: o governo da presidente Dilma coloca o Joaquim Levy para tocar a economia e qual é a receita do Levy?É transferir é a mais simplista possível. Transfere para o cidadão pagar a conta. Está bem, cara pálida, mas um governo que se dá ao luxo de gastar quase 400 bilhões de reais por ano para manter sua máquina não vai dar sua cota de sacrifício? Por que o cidadão que já está sugado ao extremo tem de contribuir com esses 70 bilhões de reais para o ajuste fiscal?. Por que não cortar um quarto da estrutura que hoje serve a administração federal? Aí já se juntam mais de 70 bilhões de reais.

Não faltam ao DEM algumas bandeiras mais claras no campo dos valores? Um partido político tem de ter bandeiras claras. Eu luto internamente há no mínimo dez anos para que nós tenhamos outras bandeiras que não apenas a redução dos impostos. Acho que tem de haver outras. Por exemplo: a priorização da educação infantil e o direito à legítima defesa. O partido nunca teve coragem de apoiar isso, enquanto a sociedade brasileira acredita nesse direito. Na época do referendo, o PSDB ficou no muro. O DEM poderia ter a coragem que meia-dúzia de nós tivemos: defender a manutenção do direito. Fomos consagrados com uma vitória de 64% nas urnas. Também posso citar a independência do Banco Central, que é um valor importante. E a mudança no pacto federativo. Defendo a década federativa, que é a tese de em dez anos transferir 5% da receita da União para os municípios brasileiros. Isso muda o país.

Mas não dá voto. Como não dá voto? Se você dialogar com a sociedade, fizer fóruns, se levar isso para os vereadores e prefeitos, tem um exército a seu favor. Mas precisa assumir isso publicamente e ser competente na comunicação. As bandeiras estão aí. Acontece que, por conta do oportunismo ou do pragmatismo político, os partidos no Brasil nunca se identificaram com isso. Talvez por temer a população.

Há duas causas que têm um apoio massivo do eleitorado e que se encaixariam ideologicamente no perfil do DEM: a oposição à descriminalização do aborto e a redução da maioridade penal. Por que o partido não abraça essas bandeiras, já que teria pouco a perder e um grande ganho potencial? Eu não tenho dúvida de que, no atual cenário político-partidário brasileiro, as cúpulas partidárias têm receios de comprometimento. Têm medo. O que impera não é a sintonia com a doutrina, é o resultado eleitoral imediato. E não se aposta num processo de transformação do país, aposta na sobrevivência do próprio grupo. Quando a gente defende que o DEM precisa ter um caminho desse, estamos falando de outro Brasil. É o país que está emergindo dos 100% de escolaridade e do uso da tecnologia. Na próxima década, a mudança de perfil do eleitorado brasileiro vai ser radical. Lamentavelmente os líderes do meu partido não estão enxergando . Eles estão no século 21 imaginando que vão crescer politicamente com o mesmo conceito do século XX. Essa coisa da matemática partidário-eleitoral. Isso não é o futuro. Isso é o passado. Um grande problema é que o Congresso brasileiro ainda funciona com essa cabeça do século passado, e por consequência do comandos partidários que acham que todo se resolve em cima da mesa. Inclusive o DEM e o PTB, sem dúvida nenhuma.

A oposição está pronta para não cometer o erro que a maior parte dos senhores admite ter cometido na época do mensalão ao não levar adiante um processo de impeachment? Se nós conseguirmos a conexão política que mobilize as ruas, o grupo político do qual eu faço parte não temerá o que não devia ter temido em 2005. O impeachment de um presidente é uma previsão constitucional para momentos como os que nos estamos vivendo. O governo da presidente Dilma acabou sem começar, e ela não dispõe mais nem de confiança nem de credibilidade. Hoje quem está mandando no Brasil não é nem o PT nem a Dilma, é a trinca peemedebista: Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha. E seguramente eles não simbolizam o futuro do Brasil. Eles simbolizam o ontem do Brasil, que não interessa a ninguém. Juridicamente já existem os elementos. Não tem é o fato político que desencadeie uma mobilização popular capaz de dar respaldo ao julgamento político da Câmara e do Senado.

Mas isso não é agir como no mensalão e esperar para ir a reboque da população? Não é esperar. Lá em 2005 nós tínhamos elementos. O que não tivemos foi uma unidade na oposição. Agora não vamos titubear. Em 2015, se surgir, nós vamos pedir o impeachment. A conexão da Dilma, objetivamente, com o episódio do petrolão e que pode desembocar na eleição dela. Porque a CGU escondeu da população as informações que recebeu da SBM antes das eleições?

O que já existe juridicamente para o impeachment, na visão do senhor? Pasadena. Eu acho que na compra de Pasadena a Dilma é absolutamente responsável por ação ou omissão. Ela se enquadra perfeitamente no crime de responsabilidade. Não só eu. O próprio Ives Gandra Martins e o professor de direito constitucional da USP Modesto Carvalhosa concordam com isso. O episódio de Pasadena tem todos os argumentos jurídicos. O problema é que nós não temos conexão política. Falta a Elba. Se acharmos a Elba, não tenho medo de impeachment.

Ou seja: é preciso comprovar que a presidente obteve uma vantagem do esquema? É isso. Que ela sabia, a dúvida é zero. Nós precisamos achar o fato que prova isso. Não sei na campanha eleitoral, pode ser a qualquer momento. No momento em que a Elba aparecer, o impeachment vem. E seria muito bom para o Brasil.

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/o-brasil-precisa-de-um-partido-de-centro-direita

www,eniomeneghetti.com

 

 

Anúncios

Tags: , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: